FAMALICÃO - 100 jovens participam no «ARTcamp 2018»

FAMALICÃO -
100 jovens participam no «ARTcamp 2018»

São uma centena as crianças e jovens que, em Julho e Agosto, participam na estreia do «ARTcamp 2018», projecto inovador no campo da Educação Artística em Portugal e que transformou uma quinta de Famalicão, em Requião, num espaço que “potencia a criatividade, a expressão individual e a capacidade de representação gráfica”.

Implementado pel’A Casa Ao Lado’, centro artístico que, desde 2005 tem desempenhado um papel activo na dinamização cultural da cidade, o conceito do projecto ‘ARTcamp 2018’ – diz a Organização – “assume uma vocação pedagógica, recorrendo às diferentes expressões artísticas para dar largas à criatividade dos mais jovens”.

“O programa do ‘ARTcamp 2018′ proporciona actividades do campo artístico tão diversas como a pintura de murais, escultura e modelação de peças em barro, passando pela azulejaria, pirogravura e até «Land Art», uma técnica em que os elementos presentes no meio ambiente são trabalhados de forma a que as obras de arte produzidas se integrem na própria Natureza”, conta Ricardo Miranda, director artístico d’A Casa Ao Lado’.

PUBLICIDADE

ARTISTAS DE PALMO E MEIO

A partir de hoje, a Quinta d’A Casa Ao Lado’ abre as portas aos primeiros “artistas”, que serão divididos em dois grupos – Artistas de palmo e meio (dos 6 aos 11 anos) e Jovens artistas (dos 12 aos 16 anos). O programa terá a duração de cinco dias e, até ao final de agosto, a quinta acolhe, todas as semanas, novos grupos de crianças e jovens.

“Procuramos alertar as nossas crianças e jovens para as realidades que existem à sua volta, fomentando as suas capacidades interventivas para as transformar, desenvolvendo um espírito crítico e criativo”, explica Ricardo Miranda.

Entre outras actividades, os programas semanais do ‘ARTcamp 2018’ incluem uma caminhada cultural de 5 Km’s, de Requião à Pousada de Saramagos, sessões de oficina dedicadas à aprendizagem e experimentação das técnicas utilizadas por artistas nacionais contemporâneos, como o grafitter Vhils e o artista de rua Bordalo II, e visitas à Fundação José Rodrigues e à Fundação Castro Alves.