AUTÁRQUICAS

AUTÁRQUICAS -

Adolfo ‘Luxúria Canibal’ 4.º na lista do PS a Braga

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Adolfo Morais de Macedo é o quarto elemento da lista à Câmara Municipal de Braga que o PS apresenta às eleições autárquicas de 26 de Setembro. Independente, aceitou o convite de Hugo Pires para integrar a candidatura, assumindo a coordenação do programa eleitoral que agora se apresenta publicamente.

É licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, cidade onde exerceu advocacia até 1999, sendo habitualmente convidado, enquanto consultor jurídico na área da Conservação da Natureza e especialista em Direito do Ambiente, como orador em diversos congressos e seminários e como docente em cursos de formação, pós-graduação e mestrado.

Entre 1993 e1999, integrou o Grupo de Peritos Jurídicos da Convenção de Berna, junto do Conselho da Europa, em Estrasburgo, e, mais recentemente, de 2018 a 2020, um Grupo de Peritos do Protocolo de Nagoia, sobre recursos genéticos, junto da Comissão Europeia, em Bruxelas.

PUBLICIDADE

Em 2011, foi um dos 100 ex-alunos da Universidade de Lisboa convidados para proferir uma palestra no âmbito das comemorações do seu centésimo aniversário.

Sob o pseudónimo artístico de Adolfo Luxúria Canibal, foi fundador do grupo de música Mão Morta, de que é vocalista e letrista, tendo criado vários espectáculos de ‘spoken word’ e poesia musicada, em nome próprio, sob as designações ‘Estilhaços’ ou ‘Goela Hiante’, ou com o percussionista Krake, e integrou o colectivo francês de música electrónica Mécanosphère, tendo mais de três dezenas de discos editados.

Dinamizou espectáculos de comunidade. Concebeu performances várias e participou como actor em séries para televisão, em algumas curtas e longas-metragens e em peças de teatro. Concebeu ainda um filme de vídeo-arte e um espectáculo de dança. Foi também autor e locutor de programas de rádio e autor de textos dispersos em jornais e revistas, tendo publicado uma dezena de livros de poesia e de crónicas.

Traduziu ainda Heiner Muller, Isidore Ducasse e Vladimir Maiakovski. 

Em 2003, foi considerado pelo semanário Expresso como uma das cinquenta personalidades vivas mais importantes da cultura portuguesa.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS