PAÍS

PAÍS -

ANSR, GNR e PSP lançam campanha de segurança rodoviária “Viajar sem pressa”

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia de Segurança Pública (PSP) lançam a partir desta terça-feira, 20 de Abril, a campanha de segurança rodoviária “Viajar sem Pressa”, inserida no Plano Nacional de Fiscalização de 2021.

A decorrer entre os dias 20 e 26 de Abril, a campanha tem como objectivo «alertar os condutores para os riscos da condução em excesso de velocidade, sendo esta uma das principais causas dos acidentes nas estradas».

A campanha “Viajar sem Pressa” integrará acções de sensibilização da ANSR; operações de fiscalização, pela GNR e pela PSP, com especial incidência no cumprimento das regras do código da estrada e legislação complementar relativas à velocidade; fiscalização 24/24 horas da ANSR através da sua rede de radares (SINCRO).

PUBLICIDADE

Estas acções de sensibilização ocorrerão em simultâneo, com operações de fiscalização nos seguintes dias e locais. No dia 20 de Abril, na AE A1, S/N, Km 11.1, Vila Franca de Xira; no dia 21 de Abril na Avenida da Régua, Ovar; a 22 de Abril na EN18, Km 43, Junto ao Viaduto do Tortosendo; no dia 23 de Abril na E.N. 372, Km 72, Elvas e no dia 26 de Abril na EN118, Km 31.200, Porto Alto.

Em nota enviada, a ANSR, a GNR e a PSP relembram que «os limites de velocidade e as regras relativas à sua moderação existem para a protecção de todos, especialmente dos mais vulneráveis, pelo que o seu cumprimento é vital».

PLANO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO

O Plano Nacional de Fiscalização, enquadrado no Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária – PENSE 2020, o qual tem como desígnio «tornar a Segurança Rodoviária uma prioridade para todos os Portugueses», prevê a «realização de campanhas de sensibilização em simultâneo com operações de fiscalização, em locais onde ocorrem regularmente infracções que representam um risco acrescido para a ocorrência de acidentes».

«A sinistralidade rodoviária não é uma fatalidade e as suas consequências mais graves podem ser evitadas através da adopção de velocidades adequadas e respeitando os limites legais», pode ainda ler-se em nota enviada.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS