REGIÃO

REGIÃO -

ARS-Norte garante ao BE que caso dos professores sem vacina será resolvido nas “próximas semanas”

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) assegura que a situação dos 45 mil docentes e não docentes ainda não vacinados nas escolas será resolvida nas “próximas semanas”.

A garantia foi dada a José Maria Cardoso, deputado do Bloco de Esquerda eleito pelo círculo de Braga, esta quinta-feira, numa reunião de avaliação do processo de vacinação contra a covid-19 no distrito.

Segundo o Bloco, no encontro, Carlos Nunes atribuiu o problema, “fundamentalmente, a discrepâncias” entre os dados fornecidos pelo Ministério da Educação (nome, número de SNS e telemóvel) e a base de dados do Ministério da Saúde, “provocadas por lapsos na elaboração manual das listas”.

PUBLICIDADE

Carlos Nunes informou o parlamentar bloquista que, das 865 mil pessoas inscritas nos cinco agrupamentos de centros de saúde do distrito (ACES Guimarães/Vizela/Terras de Basto, Famalicão, Braga, Gerês/Cabreira e Barcelos/Esposende), 28% já recebeu pelo menos uma dose da vacina e 11% já tomou as duas doses. No caso das pessoas com mais de 60 anos, 81,6% já receberam pelo menos uma dose.

Já esta semana, os ACES começaram a chamar a população do grupo etário 50-59 anos e as 26 mil pessoas com mais de 60 anos que foram infectados há mais de seis meses. Em Junho, começa a vacinação do grupo 40-49 anos.

José Maria Cardoso adianta que relativamente às longas filas verificadas no início da vacinação, a ARS-Norte reconheceu as dificuldades do processo para a população com mais idade e deu nota que, actualmente, no mesmo período de tempo, “é possível vacinar três vezes mais pessoas do que em Março”. Outra dificuldade registada” é a compatibilização dos sistemas informáticos nacionais e locais e a utilização de aplicações de agendamento novas, ainda na versão beta”.

Na reunião, refere o bloquista, foi ainda abordada a retoma da actividade programada, tendo a  ARS-Norte referido que, “progressivamente, a actividade está a normalizar”, dando como exemplo os rastreios oncológicos que já apresentam valores iguais aos de 2019. Foi ainda salientado a criação de “incentivos à actividade extra”, para compensar os adiamentos verificados nos últimos tempos.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.