CRIME (Justiça):

CRIME (Justiça): -

Assassinato do empresário João Paulo Fernandes em Braga-Recurso dos irmãos Bourbon decidido dia 19 no Supremo

Share on facebook
Share on twitter

Decisão final marcada para dia 19 de junho em Lisboa. O Supremo Tribunal de Justiça lê, nessa data, o acórdão sobre o recurso dos arguidos condenados pela morte, em 2016, do empresário João Paulo Fernandes. Na última sessão, o procurador do Ministério Público pediu, em audiência de recurso, a condenação dos arguidos considerando que o crime ficou provado.

De seguida, os advogados de quatro dos arguidos condenados pela morte, do empresário bracarense, João Paulo Fernandes. Alegaram os defensores do advogado Pedro Bourbon – condenado a 25 anos de prisão –  e dos seus dois irmãos e o do arguido Rafael Silva, pediram a absolvição, argumentando que não há provas no processo que os incriminem, “apenas suposições”. Interveio, ainda, o advogado André Laje, que representa a ex-mulher (e os direitos da filha menor) do malogrado empresário. O rapto ocorreu a 11 de março. Fernandes foi agredido à coronhada; à porta da garagem, e metido na mala de um Mercedes. A filha, então, com oito anos, viu tudo e foi chamar por socorro. Fernandes veio a ser assassinado, por estrangulamento, e o  corpo dissolvido em ácido num armazém dos arredores do Porto.

PUBLICIDADE

Conforme o Vilaverdesne/PressMinho noticiou, seis dos nove arguidos do processo Máfia de Braga foram condenados, em dezembro de 2017, à pena máxima de 25 anos de prisão pela morte do empresário João Paulo Fernandes.

De acordo com a sentença, foram condenados a 25 anos de cadeia Pedro Bourbon, Manuel Bourbon, Adolfo Bourbon, Rafael Silva, Helder Moreira e Emanuel Paulino, conhecido como Bruxo da Areosa.

O arguido Filipe Leitão foi condenado a cinco anos de cadeia e o arguido Filipe Monteiro a 120 dias de multa. Nuno Lourenço foi condenado a um ano e 10 meses, com pena suspensa.

Seis arguidos foram condenados pelos crimes de associação criminosa, furto qualificado, falsificação ou contrafação de documentos, sequestro, homicídio qualificado, profanação de cadáver, incêndio e
detenção de arma proibida.

Um sétimo arguido foi condenado a uma pena de multa, no valor de 720 euros, apenas por posse ilegal de armas.


Com Luís Moreira (CP 8078)

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS