REGIÃO

REGIÃO -

BE questiona Governo sobre licenciamento de pedreira em Cabeceiras de Basto

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) questionou o Governo sobre a licença atribuída à pedreira de granitos situada nos lugares de Ervideiro e Outeiro, na freguesia de Outeiro, em Cabeceiras de Basto. Em causa está a licença de exploração atribuída, em Abril de 2010, pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) à empresa Inertes de Basto – Extracção e Comercialização de Inertes, SA.
No documento entregue na Assembleia da República, os deputados José Maria Cardoso, Alexandra Vieira e Maria Manuel Rola, afirmam que a pedreira está implantada numa área classificada como Reserva Ecológica Nacional (REN), inserida na bacia hidrográfica do rio Tâmega. 

 “Existem nascentes de água de grande importância para as populações das povoações mais próximas que temem pelos danos que a pedreira poderá provocar na qualidade das águas superficiais e subterrâneas da freguesia”, salientam.

Para os deputados, é importante conhecer a magnitude dos impactos provocados pela pedreira, uma vez que o estudo de impacte ambiental, realizado em 2003, adianta que “os impactes a provocar pela pedreira sobre a paisagem “são inevitavelmente significativos” e que o empreendimento “poderá vir a alterar alguns habitats existentes resultando na mudança do comportamento faunístico””.

PUBLICIDADE

Os bloquistas criticam o Governo por não ter havido qualquer sessão de esclarecimento das populações sobre o projecto de exploração da pedreira, tendo sido promovidos apenas “os procedimentos de consulta pública habituais – pouco inclusivos e de difícil acesso para muitas pessoas”.

Os deputados pretendem, por isso, que o ministro do Ambiente e da Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes, esclareça quais os instrumentos de participação pública foram disponibilizados à população; que acompanhamento posterior ao procedimento de avaliação de impacte ambiental tem sido realizado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte; e se considera que a declaração de impacte ambiental e a licença da DGEG continuam válidas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS