BRAGA

BRAGA -

Braga elimina coberturas de fibrocimento do Parque Escolar do Concelho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Município de Braga está a eliminar «integralmente» as coberturas de fibrocimento com amianto em todos os edifícios do Parque Escolar do Concelho. A retirada do fibrocimento está já concluída na EB 2,3 do Mosteiro e Cávado, na EB 2,3 Frei Caetano Brandão e na EB 2,3 de Lamaçães. Na EB 2,3 de Palmeira e EB do Coucinheiro, na freguesia de Palmeira, as intervenções estão em execução. Na EB de Fraião, as obras só se iniciam no final de Junho, devido à necessidade dos alunos não estarem a utilizar o espaço para a sua concretização.

Nas escolas com obras em execução ou por iniciar, as coberturas em fibrocimento estarão «retiradas até início do próximo ano lectivo», esclarece o Município em nota enviada. O investimento global foi de cerca de «1 milhão de euros», sendo que «630 mil euros foram aprovados pelo Norte 2020 e contam com financiamento através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER)».

EM CONCURSO PÚBLICO

PUBLICIDADE

Em fase de concurso público estão as requalificações integrais da EB de Nogueira e da EB de Figueiredo, que incluem, entre outras intervenções, uma de ampliação e melhoria de grande envergadura e a retirada das placas de fibrocimento. Neste caso, o investimento do Município é de «2,272 milhões de euros para a EB de Nogueira (prazo de execução de um ano e meio) e 1.856 milhões de euros para a EB de Figueiredo (prazo de execução de 1 ano), com a comparticipação do FEDER a substanciar-se em 55 mil euros e 47 mil euros, respectivamente – visando somente a retirado do amianto».

O limite de financiamento para cada candidatura ao programa de financiamento comunitário foi estipulado em «65€ por m2», apenas contemplando a substituição das placas. Este valor previsto pelo Governo revelou-se desajustado da realidade e ficou aquém do custo total da intervenção, uma vez que para além da remoção do amianto é necessário reconstruir e requalificar muitas das estruturas após essa mesma remoção. «O remanescente foi totalmente suportado pelo orçamento municipal».

Para concretizar a retirada do fibrocimento o Município efectuou um «diagnóstico dos estabelecimentos de ensino em articulação com Ministério da Educação, Ministério da Coesão Territorial, Programa Operacional Regional Norte 2020 e com a CIM Cávado».

Estas intervenções estão inseridas num conjunto de requalificações nas escolas que têm vindo a ser efectuadas pelo Município, conferindo «melhores condições de saúde, conforto e segurança aos alunos e contribuindo decisivamente para a qualidade de vida tanto das crianças como dos profissionais».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.