BRAGA -

BRAGA - -

Braga monta dois laboratórios no edifício do Castelo: inovação social e descarbonização

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Município abre, até final do mês, no edifício do Castelo, o Centro de Inovação Social e o BUILD – Braga Urban Innovation Laboratory Demonstrator, um projecto de inteligência urbana. O «Castelo», situado no centro urbano, foi alugado pela Câmara por cinco anos, a cinco mil euros por mês. Está a ser alvo de obras de adaptação.

O vice-presidente Firmino Marques, com o pelouro do «social», disse ao OVilaverdense/PressMinho que o projecto, que cria dez postos de trabalho, promove laboratórios de ideias, workshops e eventos, programas de incubação de negócios sociais e iniciativas de empreendedorismo social. Inclui, ainda, o desenvolvimento de parcerias relevantes com instituições públicas e privadas e outros agentes da economia de impacto, bem como acções de capacitação e de «coworking».

No que toca ao BUILD, Miguel Bandeira, que tutela o Ambiente e a Mobilidade, adiantou que o projecto já está em curso, integrando-se no programa Laboratórios Vivos para a Descarbonização, apoiado pelo Ministério do Ambiente através do Fundo Ambiental.

PUBLICIDADE

O potencial de inovação – disse – passa pela introdução de tecnologias ao nível dos sistemas de informação; carregamento de veículos eléctricos; iluminação pública inteligente; gestão de tráfego; contadores inteligentes; produção de energia para autoconsumo; compostagem/aproveitamento de águas pluviais; e monitorização de consumos. Projectos financiados pelo Fundo Ambiental e que – sublinha – “embora nesta fase estejam centralizadas numa área piloto o objectivo é alargar à cidade e ao concelho”.

PARCERIAS

Bandeira salienta que se pretende criar um ambiente de inovação onde a Câmara, com  a Universidade do Minho (UMinho), o Centro de Computação Gráfica (CCG) e o Laboratório Internacional de Nanotecnologia (INL), “promove o desenvolvimento, validação e teste de novas tecnologias, serviços e respectivas aplicações em contexto real, tendo em vista reduzir as emissões de Gases com Efeito Estufa (GEE) e a intensidade carbónica”.

“A mobilidade é a área com maior impacto. A área de intervenção, é nas freguesias de São Vicente e de São Victor, e na zona nordeste junto às escolas D. Diogo de Sousa, Leonardo DaVInci, das Enguardas e Francisco Sanches, envolvendo a urbanização do Pachancho, um dos principais pontos de congestionamento do tráfego automóvel”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.