VILA VERDE:

VILA VERDE: -

Câmara aprova contratação de empréstimo de 3,3 Milhões de euros para requalificação de vias rodoviárias

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Câmara de Vila Verde aprovou, esta segunda-feira, por unanimidade, a realização de um empréstimo de 3,3 Milhões de euros para requalificação de vias rodoviárias e alargar o abastecimento de água e saneamento no nosso concelho. «Estas são prioridades que defendemos ao longo de todo este mandato», justifica a equipa de vereação do PS, que se juntou ao executivo PSD na defesa da contratação do referido empréstimo.

«Apesar de o valor do empréstimo ser de um montante elevado, entendemos que a requalificação das estradas concelhias deve ser uma prioridade absoluta», avançam os socialistas, nem nota enviada à nossa redacção. «Isto tal como o alargamento da rede de abastecimento de água e da rede de saneamento, serviços de primeira necessidade em qualquer concelho que almeje o bem-estar da sua população», acrescenta.

PUBLICIDADE

ESTRADAS CONTEMPLADAS

O referido empréstimo de 3,3 Milhões de euros contemplará a requalificação das seguintes vias rodoviárias:

– Repavimentação da Estrada Coucieiro-Atães;

– Repavimentação da Estrada Revenda-Godinhaços;

– Repavimentação da Estrada Ponte Nova-Rotunda da Lage-Turiz-Vila Verde-Barbudo;

– Repavimentação da Estrada Parada de Gatim-Freiriz-Escariz;

– Repavimentação da Estrada Pico de Regalados-Gomide;

– Repavimentação da Estrada Adelino Amaro da Costa-Dr. António Ribeiro Guimarães, em Vila Verde;

– Repavimentação da Estrada Bouça Penedo, Cervães;

FRAGILIDADES DAS FINANÇAS MUNICIPAIS

Apesar de votar favoravelmente, o PS ressalva que, «no passado já se contraíram empréstimos para requalificação de vias rodoviárias, cujas obras acabaram por não se concretizar (2 Milhões de euros em 2016). Esperemos que agora estas obras sejam uma realidade». Manifesta ainda «uma preocipação pelo facto de não haver projetos para as intervenções anunciadas». E acrescenta o facto de a autarquia «ter de recorrer à banca para estas obras é um sinal de fragilidades das finanças camarárias, o que merece atenção redobrada (A câmara tem um orçamento anual de 30 milhões de euros)».

ovilaverdense@gmail.com

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS