REGIÃO

REGIÃO -

Câmara de Caminha protege habitações na zona alta de Moledo

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Câmara Municipal de Caminha deu por terminada a aplicação de rede de protecção em talude na rua do Tostado, situada na parte alta da União de Freguesias de Moledo e Cristelo, anunciou esta sexta-feira a autarquia.

Em causa estava a segurança de várias habitações existentes na crista do talude e em baixo, junto ao arruamento. Em risco permanente estavam também os transeuntes da rua do Tostado que, com esta obra, “veem resolvido um problema que vinha sendo denunciado há algum tempo e teve agora a intervenção técnica necessária”

Para Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, “estas obras não são espectaculares, não dão muitos aplausos e não são muito lembradas como legado, mas são fundamentais para a segurança de pessoas e bens e, por isso, absolutamente prioritárias”.

PUBLICIDADE

“A parte norte da rua do Tostado conta com uma encosta a nascente tão espectacular quanto assustadora e, depois de percebermos que havia pedras e terras a deslizar nos últimos anos, tínhamos que dar um impulso na obra e na protecção das casas que ali existem”, referiu.

Reconhecendo que se trata de “um investimento grande” – cerca de 150 mil euros, integralmente assumidos pelo município -, o autarca considera que é o “investimento certo e necessário porque pode salvar vidas. Só por isso, vale a pena e a freguesia de Moledo certamente que reconhece esse trabalho”.

POPULAÇÃO MAIS TRANQUILA

Joaquim Guardão, presidente da Junta de Moledo e Cristelo afirma que aquela situação era preocupante e recorda tempos de “rapaz”: “lembro-me que no passado, parte daquela barreira caiu e derrubou o muro da residência paroquial. Na altura, a preocupação era saber se havia alguém debaixo, vítimas mortais”.

Quando assumiu a Junta, Joaquim Guardão revela que a situação na rua do Tostado era uma das suas maiores preocupações, até porque a vegetação ocultava a situação real e nunca se tinha feito uma limpeza como depois se promoveu.

“Havia uma monitorização, sabendo-se se se soltavam pequenas pedras. A consolidação daquela barreira veio tranquilizar a Junta e a população”, refere o autarca local.

A empreitada foi levada a cabo por uma empresa especializada em situações semelhantes e teve um custo global de cerca de 150 mil euros, integralmente pelo município.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.