OPINIÃO

OPINIÃO -

Campanha do laço azul

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Por Rolando Silva
Membro da Comissão Alargada da CPCJ de Vila Verde

Abril é o mês da prevenção dos maus-tratos na infância. E porquê? Em 1989, uma mulher norte americana (Bonnie Finney) amarrou uma fita azul na antena do carro, em homenagem ao seu neto, vítima mortal de maus-tratos. Com esse gesto quis “fazer com que as pessoas se questionassem”. A repercussão desta iniciativa foi de tal ordem que abril passou a ser o Mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância.

À semelhança de anos anteriores, muitas CPCJ´s, de norte a sul do país, passando pelas ilhas, pretendem dar continuidade à história desta avó, e neste âmbito já era habitual vermos a realização de várias atividades.

PUBLICIDADE

Apesar do surto pandémico de COVID-19 que afeta o nosso país e o mundo, e das limitações que todos nós temos sentido, certamente que este mês não passará despercebido, uma vez que as atividades que as CPCJ´s tinham programado para assinalar o mês da prevenção dos maus-tratos na infância, terão de reinventar-se e, em vez de se realizarem na rua, podem agora ser concretizadas dentro de portas, nos mais diversos formatos.

Também a CPCJ de Vila Verde, pretende “continuar a assinalar este mês, a agitar consciências e incentivar as pessoas a falar sobre o assunto” com a realização de diversas iniciativas, em ambiente próprio e de parceria, para sensibilizar a comunidade para a defesa das crianças contra os maus-tratos!

Todavia, os maus-tratos infligidos a crianças e jovens é uma problemática de grande relevância em todas as sociedades, incluindo em Portugal, com repercussões físicas e psicológicas e, consequentemente, para o desenvolvimento integral das mesmas.

Convém referir que em 1990 foi ratificada em Portugal a “Convenção dos Direitos da Criança”. Os direitos que constituem a convenção, dizem respeito a questões relacionadas com a provisão, tal como a saúde, a educação, a segurança social, cuidados físicos, vida familiar, recreio e cultura.

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.” Esta célebre frase de Antoine de Saint-Exupéry no seu livro “O Principezinho”, é para mim, uma das formas mais honrosas de impulsionar a relação com o outro.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS