LEGISLATIVAS

LEGISLATIVAS -

Candidatos da CDU por Braga multiplicam-se em contactos com trabalhadores

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Os candidatos da CDU pelo círculo de Braga às eleições legislativas de 30 de Janeiro dedicaram esta terça-feira aos problemas e condições de vida dos trabalhadores dos TUB – Transportes Urbanos de Braga, das Oficinas da Câmara de Braga e reuniram com a CGTP/IN.

Em declarações no final da reunião com a USB/CGTP-IN, Torcato Ribeiro, primeiro candidato da CDU, expressou “preocupação com o aumento de inscritos nos centros de emprego e de desempregados de longa duração”.

PUBLICIDADE

“Os dados que dispomos indicam que entre Fevereiro de 2020 e Outubro de 2021 o número de desempregados inscritos há mais de um ano aumentou no distrito de Braga em mais de 32%”.

Para Torcato Ribeiro este “é um número muito preocupante!”, referindo que, no mesmo período, “os inscritos nos centros de emprego aumentaram mais de 5%.”.

O comunista adiantou que a reunião com a U.S.B. / CGTP-IN permitiu “aprofundar o conhecimento sobre a realidade laboral do distrito, tendo sindo partilhados com a CDU exemplos diversos de atropelos a direitos de trabalhadores, entre os quais, os baixos salários” nos sectores rodoviário, comércio, calçado e têxtil, entre outros.

No mesmo encontro, Bárbara Barros, igualmente candidata da coligação PCP-PEV, destacou “o ‘virar o bico ao prego’ do PS relativamente à legislação laboral, e ainda não houve eleições”.

Aprovaram na generalidade em Junho na Assembleia da República o nosso projecto-lei de combate à precariedade e há dias, na votação final, deram o dito por não dito, juntando-se ao PSD, CDS, IL e Chega para chumbar tudo”, afirmou a também vereadora da Câmara de Braga

Já Carlos Almeida, candidato da CDU os trabalhadores dos TUB, que “garantem serviços públicos fundamentais”, “não podem continuar a ver ignorada a valorização do seu trabalho”.

“É justo que tenham perspectivas de carreira e aumentos salariais dignos”, sustentou.

Para a CDU, as condições de vida e de trabalho da generalidade dos trabalhadores “podem e devem ser melhoradas”.

“O paradigma de baixos salários, precariedade, desregulação de horários tem que ser substituído por melhores salários, vínculos estáveis e horários semanais de 35 horas”, defende.

“Um país que não valoriza os trabalhadores agrava as injustiças e as desigualdades”, frisa.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS