JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Casal tinha apartamento no bairro de Santa Tecla dedicado à venda de drogas

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Prisão efetiva para quatro dos cinco arguidos julgados por tráfico de droga em Santa Tecla. Foram estas as penas aplicadas, quinta-feira, pelo Tribunal Judicial de Braga a um casal – e dois «colaboradores» – que tinha um apartamento, de propriedade camarária, no Bairro Social de Santa Tecla reservado exclusivamente para a venda de haxixe, canábis (resina), heroína e cocaína, a consumidores da cidade. Com porta blindada e uma salamandra sempre acesa para queimar as drogas, caso a PSP invadisse o local. Ao todo foram cinco os condenados por tráfico.

Mas o advogado de defesa, João Ferreira Araújo vai recorrer da decisão para o Tribunal da Relação de Guimarães por considerar a pena “exagerada”.

Rafael Romero (seis anos e seis meses de prisão) e Fernanda Fernandes (cinco anos e oito meses) foram sentenciados pelo crime de tráfico de estupefacientes, conjuntamente com outra mulher, Maria Chaves ( cinco anos e quatro meses), e ainda, Abel Cabreiras, quatro anos e oito meses (também efetivos) e Jaime Montolha, um ano e seis meses (suspensos por igual período).

PUBLICIDADE

O alegado tráfico ocorreu por períodos curtos, menos de um ano, e no caso de alguns arguidos apenas durante poucos meses.

Daí que, o advogado João Ferreira Aráujo, com escritório em Braga, tenha adiantado ao Vilaverdense/Amarense que vai recorrer do acórdão judicial por considerar que a pena “é desadequada e excessiva face ao crime praticado”, na medida em que – sublinha – o tráfico foi praticado num período temporal muito reduzido e as quantidades vendidas não vão além da mera sobrevivência”.

CASAL CONTROLAVA

A atividade delituosa – diz o acórdão do coletivo de juízes – era controlada e supervisionada pelos arguidos Rafael Romero e Fernanda Fernandes que eram os proprietários das substâncias estupefacientes fornecidas e vendidas pelos restantes arguidos, muito embora esta prestasse contas ao primeiro relativamente à sua venda e proveitos obtidos. Para comunicarem entre si, bem como para agendarem transações de produtos estupefacientes, os arguidos utilizaram diversos contactos telefónicos”.

E acresecenta: “Muitas destas conversas eram efetuadas em código, aludindo designadamente a outros produtos e objetos para se reportarem a substâncias estupefacientes, tais como: “paiva”, “soquetes”, “bomba”, “branca”, “camisola branca”, “camisola preta”, para assim se referirem a canábis (resina), cocaína e heroína”.

ACUSAÇÃO

A acusação dizia que o casal era apoiado pelos três colaboradores, do mesmo bairro, que o ajudavam, lidando diretamente com os toxicodependentes. Por vezes, o tráfico ocorria noutros locais, até porque os dois principais arguidos usufruíam – e ali habitavam – de outro apartamento no bairro.

Para além de vender a consumidores, um dos arguidos foi apanhado na prisão de Braga, depois de ter «passado» uma placa de haxixe a um homem preso.

A acusação enumera 21 situações em que o grupo foi detetado a operar no Bairro. Aquando da detenção foi apanhado ao casal, um total de 275 gramas de haxixe e de heroína.

O julgamento teve 24 testemunhas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS