REGIÃO –

REGIÃO – -

Caso Rali Sprint. GNR deixa estupefacto tribunal de Guimarães ao afirmar que não lhe competia impedir público na pista

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Um militar da GNR deixou estupefacta a sala de audiências do Tribunal Judicial de Guimarães onde decorre o caso do Rali Sprint ao afirmar que a sua missão na prova de automobilismo era exclusivamente de comunicar a chegada das viaturas a outro militar na linha de partida.

Ouvido, esta quarta-feira, já após as alegações finais, Marco Correia negou que lhe estivesse atribuída a função de impedir que os espectadores circulassem pela pista.

PUBLICIDADE

Recorde-se que, em Setembro de 2014, morreram três pessoas – uma criança de 8 anos e a mãe, de 48, e um adolescente, de 13 anos-, na sequência do despiste de uma viatura de competição na zona da Lapinha.

No banco dos réus estão cinco directores do Motor Clube de Guimarães, que organizou o rali, e o mecânico da viatura.

Foto: Guimarães Digital

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.