VILA VERDE

VILA VERDE -

Centro Etnográfico e Interpretativo de Vila Verde abriu esta tarde as portas ao público

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O novo Centro Etnográfico e Interpretativo de Vila Verde abriu portas ao público na tarde deste sábado, 9 de Outubro, numa iniciativa organizada pelo Grupo Folclórico de Vila Verde e no âmbito da programação da “Festa das Colheitas 2021 – XXIX Feira Mostra de Produtos Regionais”.

A apresentação do espaço teve início com uma visita guiada, seguindo-se um vídeo onde foi mostrada a história e demais momentos que marcaram o já “sexagenário” Grupo. Pelo meio houve ainda tempo para alguns discursos, entre eles, de Alberto Nídio Silva e Maria José Rodrigues, presidente da Assembleia Geral e presidente da Direcção do Grupo Folclórico de Vila Verde, respectivamente, António Vilela, presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, e ainda José da Mota Alves, presidente da ATAHCA. Nota, ainda, para a presença de algum público e de vários elementos do Grupo Folclórico, que no final brindaram os presentes com um momento musical “único, característico, carregado de tradição e simbolismo”.

CENTRO ETNOGRÁFICO E INTERPRETATIVO DE VILA VERDE

PUBLICIDADE

O Centro Etnográfico e Interpretativo de Vila Verde (CEIVV) – agora de portas abertas à comunidade – é um espaço de divulgação de tradições etno-folclóricas, tendo como alicerce a actividade do Grupo Folclórico de Vila Verde desde a sua fundação, em 1958. O espaço pretende promover uma reflexão sobre a herança dos usos e costumes da cultura popular de Vila Verde através de um percurso interpretativo de várias tradições, associadas tanto ao pendor artístico do povo como a cunhos empíricos e espirituais do seu quotidiano.

Este Centro surgiu no âmbito da candidatura ao Subprograma 3 do PRODER, enquadrado na medida 3.2 – Melhoria e qualidade de vida e acção 3.2.1. – Conservação e valorização do património rural com o apoio do Município de Vila Verde e da ATAHCA.

OBJECTIVOS

O CEIVV tem como objectivo «promover a identidade da comunidade vilaverdense, tanto individual como colectiva; Identificar e salvaguardar os mecanismos que regulam o espírito de “lugar” de Vila Verde, no que respeita a bens mateiras e imateriais, físicos e espirituais, que lhe dão sentido, valor e emoção; Reflectir na herança identitária de tradições etnográficas; Apresentar um percurso interpretativo de várias tradições, associadas tanto ao pendor artístico ou performativo do povo como a cunhos empíricos e espirituais do seu quotidiano, assentes em quatro pólos temáticos: “A Terra e o Fruto”; “Artes e Ofícios”; “Rituais de Vida”; “Devoção e Culto”.

Mais desenvolvimentos na edição impressa de Novembro de 2021

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.