BRAGA

BRAGA -

Coligação Juntos por Braga diz que faltam 49 mil euros das contas da freguesia de Tadim

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A coligação Juntos por Braga denunciou, em comunicado, que “desapareceram” 49 mil euros das contas de 2020 da Junta de Freguesia de Tadim e requereu a marcação de uma Assembleia de Freguesia extraordinária, que terá lugar esta quinta-feira, pelas 21h30, na sede da Junta.

No comunicado, os membros da oposição dizem que o autarca Manuel Faria (PS) terá dito que foram desviados 23 mil euros e acusado o anterior Tesoureiro, que entretanto se demitiu e foi substituído.

PUBLICIDADE

“O Vilaverdense” contactou o presidente da Junta e o ex-Tesoureiro, mas não obteve uma reacção, tendo o ex-responsável das finanças da autarquia dito que o faria ainda hoje.

Para esclarecer o caso, os quatro eleitos da Coligação Juntos Por Braga na Assembleia de Freguesia (Rolando Vilaça, Sérgio Sereno, Francisco Mano e Domingos Ourives) convocaram, para quinta-feira, uma sessão extraordinária do órgão para saber “o que se está a passar com os dinheiros, de quem é a responsabilidade da alegada falta de 49 mil euros e que procedimentos objectivos se adoptaram em conformidade”.

O caso rebentou na Assembleia de Freguesia de 15 de Junho, aquando da votação do Relatório de Gestão e Prestação de Contas. A Coligação detectou, por comparação com o mapa de caixa de 2019, a falta de 49.793 euros.

Confrontado com o facto, o presidente terá respondido, segundo dizem os elementos da Coligação, que “não tinha sido detectada nenhuma falta de dinheiro” mas não soube explicar o erro nas contas. Por isso, a votação foi adiada para 22 de Junho.

MUDANÇA DE SOFTWARE

A 19 de Junho foi enviado pelo autarca um e-mail aos eleitos da Coligação com as explicações do contabilista para a falta do dinheiro, em que se podia ler que “o problema devia-se a uma mudança de software e que se tinha esquecido de fazer o lançamento dos 49.793 euros”.

A seguir, na Assembleia extraordinária de 22 de Junho, para aprovar as contas, apenas foi entregue pela Junta o mapa de fluxos de caixa com a inclusão do valor em falta.

Aí, a Coligação perguntou onde estava o mapa de demonstração da execução orçamental com a inclusão da verba e, “para espanto de todos”, o presidente da Junta disse que não era necessário.

Por não existirem dados suficientes para validar as contas, a oposição votou contra, exigindo a entrega dos documentos todos, correctos e rectificados, e os extractos bancários necessários, permitindo assim fazer a “reconciliação bancária dos movimentos”.

DEMISSÃO DO TESOUREIRO

No dia 4 de Julho, – sublinham os membros da Assembleia – a Junta lamentou a demissão do Tesoureiro, Bruno Ferreira, dizendo, em comunicado convocar nova sessão extraordinária da Assembleia, proceder à sua substituição.

“É, no mínimo estranho e curioso, que a rematar essa mesma notícia se diga que também em comunicado, o Secretariado da Secção de Braga do PS refere que o presidente do executivo autárquico garantiu os procedimentos administrativo-legais em pleno respeito pelo exercício democrático”, assinalam.

A 12 de Julho, realizou-se nova Assembleia para substituição do Tesoureiro. Antes de se iniciar, foram os eleitos da Coligação chamados à parte e informados pelo presidente da Junta, na presença do Secretário e do Presidente da Assembleia, que o anterior Tesoureiro da Junta teria desviado aproximadamente 23 mil euros, tendo mostrado alguns documentos alusivos ao facto.

Seguiu-se a dita Assembleia de Freguesia extraordinária apenas para eleição do novo Tesoureiro, Fernando Vilaça. Na sessão propriamente dita não foram prestadas explicações sobre o que de facto aconteceu, se o dinheiro devido tinha ou não sido reposto e em que termos se tinham apurado as responsabilidades.

Face a essa situação, um dos eleitos da Coligação Juntos Por Braga interpelou directamente o Presidente da Junta, Manuel Faria, acerca das razões da substituição do Tesoureiro e que lhe parecia que estavam a tentar branquear a situação.

SILÊNCIO

O presidente da Junta manteve-se em silêncio e foi o presidente da Mesa da Assembleia de Freguesia, José Manuel Cunha, quem informou que esses esclarecimentos poderiam ser pedidos numa nova sessão extraordinária da Assembleia de Freguesia a ser convocada para o efeito.

Face à ausência de explicações do presidente da Junta, que – afirma a Coligação – “tem obrigatoriamente de as prestar, até porque é co-titular da conta bancária e não é suposto haver movimentos sem o seu consentimento ou autorização, os eleitos, utilizando um direito que legalmente lhes assiste, requereram a convocação de uma sessão extraordinária da Assembleia de Freguesia, para quinta-feira, dia 29 de Julho, pelas 21h30, na sede da Junta”.

ASSEMBLEIA SEM PÚBLICO

“Lamentamos, que ao contrário do que sucedeu em anteriores sessões, o Presidente da Assembleia de Freguesia, José Manuel Cunha, desta vez se tenha lembrado de proibir a presença de público invocando a pandemia de Covid-19 como se esse problema só agora existisse”, dizem-

E acrescentam: “Pela nossa parte, vamos exigir todas as explicações, apurar os factos e as responsabilidades, fazer com que a verdade venha ao de cima e identificar quem é que tem tentado esconder estes factos do conhecimento de todos os tadinenses”.

E a concluir: “De pouco vale, o senhor presidente da Assembleia de Freguesia proibir, só agora, a presença da população na Assembleia de Freguesia, porque nós assumimos o compromisso de divulgar a todos os cidadãos os factos, porque o que está em causa são dinheiros públicos para serem usados em benefício de todos os tadinenses”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS