CULTURA

CULTURA -

Companhia de Teatro de Braga regressa aos palcos em Julho “com máscara”

Share on facebook
Share on twitter

A Companhia de Teatro de Braga (CTB) regressa aos palcos em 4 de Julho, com espectáculos que pretendem ser um “manual de boas práticas” sobre o distanciamento ditado pela pandemia de covid-19, anunciou esta terça-feira o director artístico.

Em conferência de imprensa de apresentação da programação até Outubro, Rui Madeira disse ainda que a companhia foi obrigada a alterar “radicalmente” a dramaturgia dos seus espectáculos, e manifestou-se expectante em relação à reacção do público face à nova realidade decorrente da pandemia.

PUBLICIDADE

“Isto mudou, a expectativa é muito grande”, sublinhou.

No dia 4 de Julho, na Pousada da Juventude de Braga, a CTB apresenta ‘Os Músicos de Bremen’, a partir do conto dos Irmãos Grimm, numa adaptação de José Caldas.

“Após o confinamento, achámos por bem recomeçar com um espectáculo para a família, para pais e filhos”, referiu Rui Madeira, vincando que os actores vão sempre subir ao palco com máscara.

Para 17 de Julho, a CTB tem marcada a estreia, no Theatro Circo, de ‘As troianas’, de Eurípides, uma tragédia da cultura clássica grega, que se assume como um testemunho sobre a violência contra mulheres e crianças.

O elenco conta com 20 mulheres, entre as quais a jovem actriz turca Yeliz Balim.

No dia 30, a CTB viaja até Chaves, para apresentar ‘No alvo’, de Thomas Bernhard, no festival de teatro daquela cidade.

O mês de Agosto fica marcado pelo início dos ensaios de ‘De algum tempo a esta parte’, de Max Aub, numa encenação do espanhol Ignácio Garcia, com interpretação de Ana Bustorff.

Em Setembro, o destaque vai para a estreia nacional, em Braga, da co-produção ‘Spetrri’, de Ibsen, produção que se estreou em Novembro, em Itália.

Dirigida por Rui Madeira, a co-produção reúne actores da CTB e da companhia italiana Akroama.

Em Outubro, estreia-se a peça de Max Aub, ‘De algum tempo a esta parte’, espectáculo que mais tarde é apresentado em Espanha.

O mês assistirá ainda ao início dos ensaios de ‘Calígula’, de Camus, com encenação do galego Manuel Guede Oliva.

Quanto à formação de públicos, a CTB regista, em Julho, a participação na Feira do Livro de Braga, com leituras, documentários e filmes produzidos pelo seu departamento de media arts.

Para Outubro, os destaques são a exposição ‘Enteléquia’, resultado de uma residência artística que o escritor Luís Rosa Lopes tem vindo a desenvolver, e que se assume como uma pesquisa “muito profunda” sobre as árvores históricas de Braga.

Este trabalho dará, posteriormente, origem a um documentário.

Ainda na formação de públicos, a CTB promove, também em Outubro, uma comunidade de leitura de textos dramáticos que trabalha sobre a obra de Bernardo Santareno e uma oficina de interpretação, a partir da peça ‘O pecado de João Agonia’, do mesmo autor, de quem este ano se assinalam os cem anos do nascimento.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS