BRAGA

BRAGA -

Concelhia de Braga do CDS acusa Governo de falhar para com ensino especial 

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Altino Bessa, presidente da Comissão Política Concelhia de Braga do CDS, acusou esta sexta-feira o Governo de falta de investimento em políticas de educativas na área do ensino especial.

O dirigente centrista em nota ao PressMinho/OVilaverdense, afirma faltam recursos humanos nos estabelecimentos de ensino. Dando como exemplo a situação no concelho de Braga, Bessa considera “insuficiente” a quantidade de recursos humanos distribuídos pelo Ministério de Educação aos agrupamentos de escola e jardins de infância que “garantam o cuidado das crianças com necessidades educativas especiais”.

“O Ministério da Educação tem mostrado uma abrangência de políticas e medidas efectivas muito parca no âmbito do ensino especial”, começando “desde logo pela falta de recursos humanos afectos a esta área nas escolas”, sublinha o também vereador da Câmara de Braga, lembrando que o concelho tem “uma rede educativa bastante alargada e com as suas particularidades”.

PUBLICIDADE

“VÉU DA IGNORÂNCIA”

Para o líder dos centristas bracarense, o Executivo de António “demite-se” das “funções base para o bom funcionamento da educação em Portugal”.

“Numa fase em que a transferência de competências para os municípios se aproxima, particularmente na área da educação, é necessário que o Governo Central, de uma vez por todas, olhe para a realidade de problemáticas que são transversais a todo o território nacional”, diz. 

Considera ainda que transferência de competências está a ser acompanhada de “um enorme e grave desfasamento entre a delegação de novas competências aos municípios e as verbas que acompanham as respectivas transferências. Todos sabemos que sem verbas que se assemelhem à realidade dos territórios é impossível gerir correcta e eficazmente novas competências”, sustenta.

Segundo Bessa teme que com esta “nítida falta” de integração e inclusão que “se faz sentir na actualidade”, estas crianças e jovens “sofram no futuro com as consequências desta letargia”.

“Para que a educação inclusiva seja uma realidade é necessário que sejam introduzidas alterações de actuação na definição de estratégias no âmbito da educação especial”, frisa, deixando um conselho: “Governo Central precisa de largar o ‘véu da ignorância’”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.