JUSTIÇA - Condenado a quatro anos e meio de prisão efectiva por roubo de carro em Braga e assalto a taxista em Famalicão

JUSTIÇA -
Condenado a quatro anos e meio de prisão efectiva por roubo de carro em Braga e assalto a taxista em Famalicão

É dos Arcos de Valdevez mas residia em Braga. Já cumpre pena de prisão no Porto por outros crimes…Mas foi, agora, sentenciado, em cúmulo jurídico, no Tribunal de Braga, a mais quatro anos e seis meses por furtar um carro, em Braga, e assaltar um taxista, em Famalicão.

António Avelino Esteves, de 43 anos, furtou, em agosto de 2016, um Audi estacionado na Rua Dr. Domingos Pereira e andou com ele, com matrículas falsas que mandou fazer, até ser apanhado a guiá-lo, em outubro, em Aveleda, pela GNR de Braga.

Apropriou-se, ainda, dos objetos que estavam no carro e que valiam oito mil euros: duas cadeiras de transporte de criança, um par de óculos de sol, um comando de garagem, uma chave suplente de um Toyota, uma trotinete, um capacete de criança, uns calções do Sporting de Braga e vários documentos sobre a atividade de apicultor do proprietário.

PUBLICIDADE

Em 2015, na cidade de Famalicão, tentou entrar num táxi, mas o condutor impediu-o, dizendo-lhe que tinha de respeitar a ordem de chegada de passageiros, já que havia outros em fila de espera. Ato contínuo, e sem mais, o arguido deu dois socos ao taxista, um na cara e outro no nariz. A vítima pegou, então, no telemóvel, para chamar a polícia, mas o agressor arrancou-lhe o aparelho e fugiu com ele.

Para além desta condenação, o homem já o fora por 11 vezes, em Braga, Póvoa de Lanhoso, Guimarães e Famalicão, por crimes como homicídio na forma tentada, ofensa à integridade física qualificada, roubo, tráfico, posse de arma proibida, coondução sem carta, ameaça agravada e falsidade de depoimento.

O arguido está a cumprir, desde dezembro de 2018, um remanescente de 2 anos e seis meses de cadeia, duma condenação de oito anos, já que saiu em liberdade condicional, e voltou a cometer crimes.

Vai acumular o tempo que lhe falta com os quatro anos e meio a que foi agora condenado.