AIMINHO tem participação no IEMinho (Soutelo)

AIMINHO tem participação no IEMinho (Soutelo) -

Credores analisam em junho Plano de Recuperação da Associação Industrial do Minho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal de Comércio de Famalicão agendou para junho a assembleia de credores da Associação Industrial do Minho (AIMinho), que deve 14 milhões de euros, na qual será apreciado o Plano Especial de Recuperação (PER).

Na última reunião de credores, em março, a Caixa Geral de Depósitos, (CGD), o Novo Banco e o IEFP (Instituto de Emprego e Formação  Profissional) votaram a favor do alargamento do prazo inicial, por mais 20 dias.

O voto contrário veio do IAPMEI-Agência para a  Competitividade e Inovação, um organismo estatal que é credor de 470 mil euros.

PUBLICIDADE

As principais dívidas do organismo empresarial dividem-se por dois bancos: a CGD, credor de seis milhões (48 por cento) e o Novo Banco, com 5,8 milhões (45 por cento). Ou seja, as duas entidades detêm 94 por cento dos débitos da Associação, pelo que a eventual aprovação do PER, depende deles.

A AIMinho tinha entregue um pré-projeto de PER, tendo o administrador judicial, Nuno Albuquerque, de Braga, levado a proposta de feitura de um documento final à reunião de credores, a qual foi aprovada sob supervisão do juiz.a favor da aprovação do PER, está o facto de a AIMinho possuir vários imóveis valiosos, caso do edifício-sede, em Braga, que valerá – segundo fontes do setor – 2,5 milhões de euros e de um pavilhão de exposições em Viana do Castelo.

Tem ainda diversas  participações em institutos empresariais na região, como o IEMinho em Vila Verde, o Idite-Minho- Instituto de Desenvolvimento Tecnológico do Minho, em Braga, e o MinhoPark, em Monção, este último com 90 hectares, onde estão a ser infraestruturados 80 lotes para unidades empresariais. A AIMinho é ainda sócia de empresas e de outras instituições, com parceiros universitários e locais.

A Associação tinha eleições marcadas para março de 2017, mas estas foram suspensas para permitir que o presidente António Marques liderasse a resolução do problema.

Luís Moreira (CP 8078)

ovilaverdense@gmail.com

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS