CORRUPÇÃO "CARTAS DE CONDUÇÃO"Decisão do Tribunal da Relação permite marcação de «sentença»

CORRUPÇÃO "CARTAS DE CONDUÇÃO"
Decisão do Tribunal da Relação permite marcação de «sentença»


O Tribunal da Relação de Guimarães rejeitou o requerimento de sete advogados de defesa invocando um “incidente de suspeição” sobre o coletivo de juízes de Braga que julgou 47 arguidos por alegada corrupção com cartas de condução. Por isso, vai ser marcada a «sentença» da alegada corrupção nas cartas de condução, logo que o acórdão chegue ao Tribunal de Braga, o que ainda não sucedeu.

E pode haver outro obstáculo: os advogados podem pedir uma aclaração da decisão, o que – segundo fontes judiciais – apenas servirá para “ganhar tempo” face a uma condenação anunciada dos principais arguidos, os examinadores do antigo Centro de Exames da ANIECA em Vila
Verde.

Conforme então noticiámos, o pedido de recusa da juíza que presidia ao Coletivo, Luísa Alvoeiro, prendeu-se com o facto de ter sido distribuído aos advogados um documento com os factos que o Tribunal considerou provados, o que foi feito ainda antes da leitura do acórdão”. No texto distribuído pelo Tribunal, constava também que eram dados como perdidos a favor do Estado, um total de 700 mil euros, em dinheiro e bens, alegadamente obtidos com a atividade criminosa por nove arguidos, todos examinadores de condução no Centro de Exames da ANIECA, (a associação nacional dos industriais do setor) em Vila Verde.

PUBLICIDADE

Face ao anúncio do “incidente”, a magistrada reconheceu o “lapso” mas considerou que a frase “factos provados” não consta dos autos, logo não tem validade – nem implicação – jurídica. E em nada afetava a decisão a proferir, em sede acórdão, que já está pronto há mais de um mês.

Agora, o Tribunal da Relação de Guimarães, em acórdão, escrito pela juíza-desembargadora Alda Tomé Casimiro veio, agora, sublinhar que “só motivos sérios e graves adequados a gerar desconfiança, o que não é manifestamente o caso”, podiam afastar a juíza”.

O CASO
O processo, relacionado com o Centro de Exames de Vila Verde, envolve escolas daquele concelho e ainda de Barcelos, Ponte de Lima, Vizela, Guimarães, sendo que os factos terão decorrido entre 2008 e 2013.

Os factos provados apontam, ainda, para que, pelo menos, seis examinadores de condução, do antigo Centro de Exames de Vila Verde, terão «ganho» 730 mil euros, supostamente com a corrupção. Levavam mil euros a cada aluno, por uma «ajuda» no exame teórico de condução e cem pela prova prática.
A estes valores acrescia uma verba para os intermediários, donos de escolas de condução da região ou outros. O dinheiro era incorporado no seu património pessoal.

As provas teóricas eram mais caras para o instruendo, “porque os examinadores assumiam um papel mais ativo e, como tal, sujeitos a uma maior exposição”.


Redacção
ovilaverdense@gmail.com