JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Dois funcionários da Câmara de Braga acusados pelo MP, um por 29 crimes e o outro só por um

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Ministério Público de Braga acusou 11 pessoas e uma empresa, entre eles dois funcionários da Câmara de Braga, dos crimes de abuso de poder, recebimento indevido de vantagem e falsificação de documento.

A Procuradoria Geral Distrital do Porto adiantou, esta segunda-feira, que o caso se prende com a “prestação paralela de serviços de elaboração de projetos e de tramitação burocrática no município de Braga por parte de um funcionário da Divisão de Gestão Urbanística”.

O MP considerou indiciado que o principal arguido, de nome, Manuel José – acusado de 29 crimes – trabalhador da Divisão de Gestão Urbanística da Direção Municipal de Urbanismo criou um gabinete de projetos que mantinha em funcionamento em colaboração com outro arguido, agente técnico de arquitetura e engenharia,

PUBLICIDADE

Concluiu que, “pelo menos de 2011 a 2015, o manteve em funcionamento, prestando, a troco de remuneração, serviços de elaboração de projetos e de tramitação burocrática na câmara municipal, a clientes vários e a troco de remuneração”.

Indiciou ainda que “o arguido se valeu das suas funções e dos contactos privilegiados que mantinha nos diversos departamentos de urbanismo da Câmara, fosse para acelerar a tramitação do expediente e, se possível, obter a sua aprovação, fosse para receber clientes encaminhados pelos serviços do município, fosse ainda para insinuar perante os clientes a capacidade de obter dos serviços um tratamento preferencial aos processos”.

Diz, ainda, que “intermediou mesmo, em novembro de 2014, o acordo entre o arguido polícia municipal e um dos arguidos empresários, mediante o qual aquele, a troco de 200 euros, não levantou o auto de contra-ordenação que se impunha face às desconformidades detetadas no estabelecimento deste, sito em Celeirós, Braga”.

Acrescenta que “se aproveitou das funções que exercia para aceitar a oferta de presentes por empresários, entre os quais jantares, que sabia não lhe serem devidos e só lhe serem entregues atentas as funções que desempenhava”.

Por fim, o Ministério Público promoveu que o arguido funcionário fosse condenado a pagar ao Estado a quantia de 638 mil euros correspondente ao seu património incongruente, isto é,” ao património que se presume constituir vantagem de atividade criminosa por incompatível como seu rendimento lícito”.

A acusação atribuiu ao funcionário a prática de vinte e quatro crimes de abuso de poder, de um crime de corrupção ativa e de quatro crimes de recebimento indevido de vantagem; a um outro arguido, agente técnico de arquitetura e engenharia, sócio informal com aquele num gabinete de projetos, 21 crimes de abuso de poder; a dois outros arguidos, ambos técnicos ligados à elaboração de projetos, a prática de um crime de abuso de poder;

Acusa, ainda um empresário da prática de um crime de corrupção ativa e de um crime de falsificação de documento, e um outro, polícia municipal, de um crime de corrupção passiva; já um outro funcionário, à data chefe da Divisão da Renovação Urbana da Câmara Municipal de Braga, a prática de um crime de recebimento indevido de vantagem;

Por último, acusa quatro outros empresários, e uma sociedade comercial, da prática de um crime de recebimento indevido de vantagem, na modalidade «oferta».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.