VILA VERDE / Justiça (caso EPATV)

VILA VERDE / Justiça (caso EPATV) -

Gestor da Caixa Agrícola nega que ex-autarca tenha pedido para dar garantia bancária

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Caixa de Crédito Agrícola de Vila Verde, José Santos, negou, na última audiência de julgamento no Tribunal de Braga, que o ex-presidente da Câmara local, António Vilela, tenha intercedido no sentido de que fosse dada uma garantia bancária de 500 mil euros à empresa Val D’Ensino, para que esta se pudesse candidatar à privatização de 51 por cento da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV).

A testemunha desmentiu, assim, o que dissera ao Ministério Público aquando do inquérito ao processo, o que levou o juiz-presidente a admoestá-lo, por duas vezes, avisando-o para “não brincar com o Tribunal” e pondo a hipótese de extrair – quando acabar o seu testemunho na próxima audiência – uma certidão para inquérito por falsas declarações.

PUBLICIDADE

A pedido do Ministério Público, o Tribunal leu o que o gestor bancária disse na fase de inquérito, ou seja, que a Caixa aceitou prestar a garantia devido a pedidos nesse sentido, feitos quer pelo ex-autarca, quer pelo então vereador, Rui Silva, e também por João Luís Nogueira. Estes dois são arguidos no caso, conjuntamente com João Luís Nogueira, o sócio principal da Val D’Ensino.

José Santos explicou a aparente contradição, dizendo que era apenas uma questão de “interpretação” e que conversou com Vilela sobre a venda da Escola, mas sem que este interferisse ou o pressionasse para que concedesse a garantia.

O bancário salientou que a garantia bancária foi dada porque o ex-vereador Rui Silva aceitou ser fiador, com garantias reais sem as quais não tinha sido dada: “A Caixa aceitou porque entendeu que Rui Silva tinha “idoneidade e bens para o fazer”.

Nos seus depoimentos, quer Vilela quer Nogueira, negaram que tenha havido favor na prestação de garantia, tendo o autarca assegurado que nunca se reuniu com José Santos.

Conforme  jornal o Vilaverdense tem relatado, os três arguidos estão a ser julgados por corrupção no processo de venda.


Por Luís Moreira

 

MAIS DESENVOLVMENTOS NA EDIÇÃO IMPRESSA DE 02 DE JUNHO

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.