BRAGA -

BRAGA - -

Inscrição do Bom Jesus como Património Mundial da Unesco é fruto de «esforço colectivo que cumpre enaltecer»

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, considerou que a atribuição da classificação de Património Cultural Mundial da Unesco ao Santuário do Bom Jesus é uma «grande vitória» para Portugal e, de forma particular para Braga, resultando de um «esforço colectivo que cumpre enaltecer».

O autarca falava durante a conferência de imprensa de balanço da candidatura e perspectivas de futuro decorrida esta quarta-feira à tarde no Santuário do Bom Jesus, em Braga.

«Foi um processo difícil mas muito saboroso. O Bom Jesus e a cidade cresceram em paralelo e foram funcionando como factores de atractividade recíproca e é assim que tem de continuar a acontecer. A fruição deste espaço por parte dos Bracarenses e dos visitantes tem funcionado em articulação com as dinâmicas criadas pela cidade e o Município deu o contributo que estava ao seu alcance para que este desfecho fosse possível», acrescentou.

PUBLICIDADE

Ricardo Rio recordou ainda, a título de exemplo, o trabalho desenvolvido pelo Município ao nível do ordenamento urbanístico em sede de PDM – que veio salvaguardar a integridade do Santuário, factor bastante valorizado pelos representantes da Unesco – e adiantou ainda que cabe à Câmara Municipal continuar a dar o seu contributo para a valorização do Bom Jesus em diversas dimensões, nomeadamente na sua salvaguarda, na protecção civil, nos factores de animação do espaço e nas acessibilidades.

«Queremos que o Bom Jesus seja cada vez mais um activo único à escala global e com esta classificação estamos certos que o espaço e a Cidade vão ganhar mais projecção e visibilidade», disse, elogiando o «excepcional trabalho» da Confraria, Arquidiocese, das arquitectas paisagistas Teresa Andresen e Teresa Portela Marques, coordenadoras científicas da candidatura, e o esforço diplomático efectuado pelos Embaixadores Sampaio da Nóvoa e Morais Cabral.

A ideia de candidatar o Santuário do Bom Jesus à lista do Património Mundial surgiu em 1998, aquando da primeira grande requalificação, sendo que em 2017 a candidatura foi oficialmente inscrita na lista indicativa de Portugal para Património Mundial. Constituído por 26 hectares de mata a património classificados, o espaço é visitado anualmente por 1 milhão e 200 mil pessoas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS