DISTINÇÃO

DISTINÇÃO -

Investigadora da UMinho vence Prémio da Cátedra do Caminho de Santiago

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Liliana Neves, da Universidade do Minho, recebeu o Prémio de Investigação da Cátedra sobre o Caminho de Santiago e as Peregrinações 2024, pela sua tese doutoral sobre o apoio aos caminhantes prestado pelas Misericórdias no período moderno. A distinção foi agora atribuída pela Agência Galega de Turismo, a Catedral de Santiago e a Universidade de Santiago de Compostela (USC). O concurso teve candidatos de Espanha, Polónia, Brasil e Portugal.

“Estou muito feliz por este reconhecimento internacional sobre os meus contributos históricos no âmbito das peregrinações”, sorri Liliana Neves. A autora é licenciada, mestre e doutorada em História pela UMinho e aí investiga no Laboratório de Paisagens, Património e Território (Lab2PT), integrando ainda o grupo História Social a Norte.

A tese laureada, “Caminhos que se cruzam. A presença de peregrinos e viajantes no Norte de Portugal: as Misericórdias (séculos XVII e XVIII)” foi defendida em dezembro no Instituto de Ciências Sociais da UMinho e financiada com uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

O trabalho focou a assistência social das Misericórdias do Norte de Portugal à população em trânsito, numa época em que viajar e peregrinar era desafiante, pelos elevados custos e perigos, entre outras dificuldades.

O estudo procurou entender o contexto, as crenças e os eventos que levaram a esta caridade praticada, como a ascensão das romarias e os efeitos da contrarreforma católica. A autora avaliou depois as estratégias das Misericórdias para controlar quem era ou não beneficiário da ajuda, a qual envolvia desde cartas de guia a esmolas, cavalgaduras, pernoitas, enfermaria ou cuidados espirituais.

“Nem sempre foi pacífico acolher estes viajantes nos edifícios das Santas Casas, embora estas se esforçassem no apoio à população flutuante, que ali encontrava um porto seguro para o descanso e conforto do corpo e também da alma”, refere Liliana Neves.

A sua tese caracterizou ainda aqueles caminhantes por origem, destino, profissão, status social e motivação da viagem, segundo os documentos. No global, foram consultados 24 arquivos de Misericórdias do Norte de Portugal e, em Santiago de Compostela, os arquivos históricos do Arcebispado, da Catedral e da USC.

Liliana Neves é natural de Badim, Monção e reside em Sistelo, Arcos de Valdevez. É autora de diversos capítulos de livros e artigos em revistas nacionais e internacionais, além do livro “Peregrinos e viajantes. O auxílio das Misericórdias de Braga e Ponte de Lima (séculos XVII-XVIII)”. Coordena atualmente a Divisão Patrimonial da Santa Casa da Misericórdia dos Arcos de Valdevez. O prémio atribuído, na sua sétima edição anual, foi criado em 2016 e visa promover a investigação no campo da peregrinação e dos caminhos de Santiago.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
3€ / mês

* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 36€ / ano.