JUSTIÇA

JUSTIÇA -

João Luís Nogueira garantiu ao Tribunal: compra da Escola Profissional foi legal e transparente

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O dono da maioria do capital e diretor da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV), João Luís Nogueira, garantiu, na última quarta-feira, no Tribunal Judicial de Braga, que o processo de privatização, em 2012, de 51 por cento do estabelecimento, foi “legal, lícita e transparente” e beneficiou os seus três sócios, os municípios de Vila Verde, Amares e Terras de Bouro.

As Autarquias deixaram de lá meter dinheiro, como faziam sistematicamente e ficaram com uma escola que traz grandes benefícios à região do Cávado e mesma à de Braga”, disse o gestor, negando que no processo tenha havido qualquer decisão ilegal tomada para o beneficiar, em prejuízo da Câmara de Vila Verde.

Recorde-se que, e para além de Nogueira, estão a ser julgados o ex-presidente da Câmara António Vilela e o ex-vereador Rui Silva. A acusação considera que os dois autarcas fizeram um concurso público pensado para beneficiar a empresa Val D’Ensino, de que Nogueira é proprietário.

PUBLICIDADE

João Luís Nogueira, que rebateu a acusação, respondeu às perguntas minuciosas do juiz-presidente e da procuradora do Ministério Público dizendo que o pagamento pela Câmara, após a compra da EPATV de uma verba de 988 mil euros, não foi qualquer favor ilícito, mas antes, correspondia a valores pagos pela Escola ao banco, que o Município não fizera, atrasando-se por falta de verbas na tesouraria: “a Câmara atrasou-se, a Escola adiantou o dinheiro ao banco e, depois, fizemos um encontro de contas em acordo no Tribunal Administrativo ratificado pelo juiz”, explicou.

O diretor da EPATV explicou, também, o facto de Rui Silva, que quando saiu da Câmara, foi para diretor da Escola, ter assinado um aval pessoal na Caixa de Crédito Agrícola para financiamento da Val D’Ensino: “o Rui Silva avalizava tudo. Desta vez, o banco incluiu-o, por lapso, nos documentos e ele assinou, como fazia sempre”, disse.

NOGUEIRA REAFIRMA TESES DE VILELA

O depoimento de Nogueira veio de encontro às teses de António Vilela, o qual disse no Tribunal, que, após a venda da Escola, os três municípios não voltaram a meter um cêntimo na Escola depois de privatizada, em 2012. E ainda ficaram com os edifícios de Vila Verde e de Amares.

Vilela e Nogueira já terminaram os seus depoimentos, e Rui Silva declarou, no início do julgamento, que não iria falar. Pode, ainda, vir a fazê-lo no final, se assim o entender.

Assim, na próxima sessão começam a ser ouvidas as testemunhas, começando as da acusação.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.