PAÍS

PAÍS -

Lavar menos os carros e luzes de Natal só até as 24 horas são medidas do Governo para poupar energia

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Plano de Poupança de Energia 2022-2023 foi divulgado esta terça-feira com recomendações para o sector público, o privado e as autarquias.

Para a administração pública central, o Governo recomenda o desligar da iluminação exterior de edifícios a partir da meia-noite, ou a redução da lavagem de veículos.

PUBLICIDADE

O Plano de Poupança de Energia 2022 -2023 “surge na sequência da crise geopolítica que se faz sentir actualmente na Europa, com graves consequências para o sector da energia, sendo um dos instrumentos que responde ao repto da redução voluntária de 15 % do consumo energético lançado aos Estados -Membros da União Europeia. Não deve, no entanto, ser esquecido que, no caso português, existem derrogações que permitem reduzir a percentagem de redução obrigatória para 7 %”, pode-se ler.

O documento “engloba medidas, por separado, de redução para as áreas da energia, eficiência hídrica e mobilidade, e abrange os sectores da Administração Pública, central e local, e privado (incluindo indústria, comércio e serviços, e cidadãos), sendo dado particular destaque às medidas afectas à energia”.

RECOMENDAÇÕES

— Desligar iluminação interior de carácter decorativo de edifícios a partir das 22h00 no período de Inverno e a partir das 23h00 no período de Verão;

— Desligar iluminação exterior de carácter decorativo dos edifícios a partir das 24h00, salvaguardando questões de segurança;

— De 6 de Dezembro de 2022 a 6 de Janeiro de 2023 ajustar os períodos de utilização da iluminação natalícia para o horário entre as 18h00 e as 24h00;

— Desligar iluminação interior sempre que o espaço não esteja em uso e após o horário de trabalho;

— Promoção de uma maior utilização de luz natural, através dos vãos envidraçados, clarabóias ou tubos de luz, reduzindo a iluminação acesa, salvaguardando os valores legais necessários a locais de trabalho;

— Adequação da intensidade da iluminação às necessidades dos utilizadores dos espaços e adaptação dos horários de iluminação de acordo com taxa de utilização e ocupação, com excepção da iluminação de emergência;

— Implementação de sistemas de gestão para a racionalização do consumo;

— Substituição da iluminação interior/exterior por iluminação de tecnologia LED de alto desempenho energético e/ou a instalação de reguladores (dimmers) de fluxo luminoso de sistemas luminotécnicos;

— Regulação das temperaturas dos equipamentos de climatização interior, para o máximo de 18°C no Inverno e o mínimo de 25°C no Verão;

— Espaços com entrada directa para a rua com sistema de climatização ligado devem manter portas e janelas fechadas;

— Sistemas de aquecimento a gás ou do tipo ar condicionado/bombas de calor em espaços do tipo esplanada (exteriores e interiores) devem estar desligados;

— Durante os períodos sem ocupação os sistemas de climatização devem permanecer desligados;

— Adopção de práticas de gestão dos recursos humanos que permitam a redução dos consumos energéticos (por exemplo, avaliando as poupanças energéticas do recurso ao teletrabalho), sempre que viável;

— Ações de informação no âmbito das poupanças associados ao consumo energético, bem como das deslocações casa-trabalho-casa;

— Promoção de acções de capacitação junto dos técnicos da Administração Pública designados ao abrigo do Programa de Eficiência de Recursos na Administração Pública (ECO AP 2030), visando maior envolvimento, dotação de ferramentas e sensibilidade para temas como a eficiência de recursos, incluindo autoconsumo de electricidade através de fontes de energia renovável;

— Fomentar a produção local de electricidade através de sistemas de aproveitamento de fontes de energia renovável;

— Redução do tempo de água corrente e adequação da temperatura da água do sistema de aquecimento à estação do ano;

— Redução da quantidade de água utilizada na lavagem de pavimentos;

— Reduzir o número de lavagens de veículos;

— Adopção de estratégias de redução do consumo de água nos sanitários através da adopção de mecanismos de descarga dupla e diminuição do volume disponível dos reservatórios;

— Programação da rega para horários de menor evaporação, ligando-as depois das 20h00 no período de Verão e das 17h00 no período de Inverno;

— Correcção da orientação dos dispositivos de água colocados em jardins de forma a eliminar desperdícios de água;

— Promoção de sistemas de gota a gota com sensores de humidade;

— Aproveitamento de águas pluviais ou de outras proveniências para regas e lavagens, sempre que possível;

— Promoção da plantação de espécies com baixa necessidade de rega, apropriadas ao clima e terra.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.