NACIONAL -

NACIONAL - -

Maioria dos médicos portugueses são a favor da legalização da eutanásia

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Quase 60% dos médicos são a favor da legalização da eutanásia em Portugal, revela um estudo desenvolvido por investigadores do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e publicado na Revista Iberoamericana de Bioética.

A investigação, da autoria de Sofia da Silva, Luís Azevedo e Miguel Ricou, e a que a Lusa teve acesso esta terça-feira, teve como objectivo auscultar a opinião de médicos portugueses de diferentes especialidades, nomeadamente de Anestesiologia, Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna, Oncologia e Psiquiatria, quanto à prática e legalização da eutanásia. Foram ouvidos 251 profissionais de seis hospitais e de 15 centros de saúde da região Norte do país.

Os resultados indicam que a maioria dos médicos é a favor da legalização da eutanásia, sobretudo os mais novos, com menos experiência profissional e sem crenças religiosas.

PUBLICIDADE

No entanto, segundo os investigadores, “a opinião dos médicos é fortemente influenciada pelos cenários concretos que lhes são apresentados”.

“O apelo a um caso concreto é determinante para promover a aceitação da eutanásia”, explicou Miguel Ricou, investigador do CINTESIS na área da Bioética e Ética Médica e docente da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Assim, esclarece, enquanto 55% concordam com cenários de eutanásia voluntária (em circunstâncias em que está explícita a vontade do adulto com doença incurável/terminal, incapacitante, com dor ou sofrimento insuportável), menos de 40% concordam com cenários de eutanásia involuntária e apenas 20% aceitam a eutanásia num “adulto com doença terminal que ainda goza de boa qualidade de vida”.

“Estes resultados evidenciam que o sofrimento manifestado pelo doente, em consequência da doença, é, para os médicos, um critério mais relevante que o respeito pela autonomia, ainda que esta última seja condição. Por exemplo, nos cenários em que eutanásia ocorre a pedido da família, isto é, de terceiros, o procedimento é tido como ‘inaceitável’ pela maioria dos participantes”, sustenta o investigador do CINTESIS.

TEMA CONTROVERSO

De acordo com os autores, este estudo reforça a ideia de que, independentemente da evolução aparente do conceito de “boa morte”, “a eutanásia é um tema ainda controverso, representando um problema médico e social em Portugal”, defendendo, por isso, que “são necessários mais estudos sobre este tema”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.