REGIÃO –

REGIÃO – -

Monumentos de Guimarães batem recorde de visitantes em 2019

Share on facebook
Share on twitter
Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Depois da Catedral do Porto, o Paço dos Duques de Bragança e o Castelo de Guimarães foram dos monumentos geridos pela Direcção Regional de Cultura do Norte (DGCN) os mais visitados em 2019.

Os dois monumentos vimaranenses destacam-se entre os museus e monumentos sob gestão daquela entidade contabilizando, em conjunto, 838.120 visitantes.

PUBLICIDADE

De acordo com a contabilidade da DRCN, o Paço do Duques registou 463.607 visitas em 2019, mais 10,1% do que no ano anterior. Destas, 294.684 foram de estrangeiros, representando 63,6% dos visitantes.

O Castelo de Guimarães assinalou 374.513 visitas, um aumento de 9% quando comparado com 2018, das quais 241.226 de estrangeiros (64,4% dos visitantes).

A Catedral do Porto atingiu a marca dos 549.127 visitantes.

RECORDE ABSOLUTO

Em 2019, o conjunto dos museus e monumentos geridos pela DRCN atingiu um recorde absoluto no número de visitantes, tendo registado 2.232.154 entradas, o que representa uma subida de 22,9% em comparação com o ano anterior. A tendência crescente mantém-se pelo 6,º ano consecutivo.

No período de uma década (2010 a 2019), o número de visitantes subiu 188%, reflexo, não só do aumento do fluxo turístico na Região Norte, mas, segundo a tutela, “também do esforço de recuperação e valorização do património que tem sido realizado nos últimos anos, colocando-o à fruição por parte do público”.

Do total de visitantes registado no ano transacto, 1.365.238 entradas correspondem a visitantes de nacionalidade estrangeira (61,1% do total de visitantes), sobretudo oriundos de Espanha, Brasil, França, Inglaterra, EUA, Alemanha e Itália.

Considerando esta evolução como “extremamente positiva”, António Ponte, Director Regional de Cultura do Norte, explica que o crescimento verificado nos últimos anos se deve a um “reforço da estratégia de trabalho articulado e em rede por todo o território, onde tem vindo a desenvolver uma política descentralizadora de investimentos, envolvendo os agentes culturais e autarquias locais na prossecução de um esforço comum de salvaguarda, preservação e divulgação do Património a Norte”.

Por outro lado, salienta António Ponte, têm sido desenvolvidos “vários projectos de conservação e restauro do património edificado, visando assegurar a protecção e valorização dos edifícios, sempre com o objectivo de os devolver às comunidades a que pertencem, com novos modelos de fruição pública”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.