BRAGA

BRAGA -

Município de Braga avança com criação de Centro de Biotrituração Comunitário

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Município de Braga obteve um financiamento de «234 mil euros para a segunda edição do projecto “Cuidar Braga”», uma iniciativa que visa «combater os incêndios florestais e proteger a natureza, as pessoas e os bens». Este financiamento vai permitir ao Município «avançar com a instalação de um Centro de Biotrituração Comunitário».

A verba foi atribuída pelo programa “Ambiente, Alterações Climáticas e Economia de Baixo Carbono” do EE Grants, um mecanismo financeiro plurianual que apoia financeiramente os Estados-Membro da União Europeia com maiores desvios da média europeia do PIB per capita. A candidatura apresentada pelo Município de Braga foi considerada uma das cinco melhores classificações do programa de financiamento, tendo mesmo obtido a melhor classificação dentro da sua área.

“CUIDAR BRAGA”

PUBLICIDADE

Recorde-se que o “Cuidar Braga”, lançado pelo Município no início do presente ano em parceria com as Juntas de Freguesia, foi financiado pelo Fundo Recomeçar da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. A iniciativa disponibilizou à população, «de forma gratuita, dois bio trituradores para a destruição de sobrantes agrícolas e florestais, com o objectivo de reduzir em 40 por cento o número de queimas realizadas no Concelho».

Agora, com o “Cuidar Braga II”, a autarquia vai operacionalizar três opções de adaptação da Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas, através da instalação e dinamização do Centro de Biotrituração Comunitário.

Para concretizar a proposta, a autarquia desenhou duas actividades técnicas que integram a angariação de parceiros, nomeadamente autoridades locais (Juntas de Freguesia) e gestores de floresta, que poderão beneficiar da fracção móvel do equipamento para triturar biomassa in loco e dinamizar a acção, e, por outro lado, a infra-estruturação do Centro de Bio Trituração para admissão, processamento (trituração) e encaminhamento da biomassa verde/florestal entregue por cidadãos e parceiros.

Para valorizar o subproduto, que se pretende distribuir gratuitamente entre os contribuintes de biomassa, promovendo uma economia circular, o Município irá trabalhar em parceria com a BRAVAL, empresa intermunicipal de valorização e tratamento de resíduos sólidos.

Assim, o projecto vai permitir à autarquia operacionalizar três opções de adaptação das 29 identificadas na Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas, nomeadamente, monitorização do estado sanitário do parque arbóreo; promoção do aproveitamento de biomassa florestal (aquecimento de águas, pellets, etc.); e promoção do ordenamento e gestão florestal.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS