REGIÃO -

REGIÃO - -

Municípios do Norte com ‘contas certas’ em 2018

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Todos os municípios do Norte arrecadaram receitas correntes suficientes para pagar as despesas da mesma natureza, gerando assim uma poupança corrente positiva e assegurando o cumprimento do princípio do equilíbrio orçamental. A conclusão é da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional Norte (CCDRN).

De acordo com o relatório ‘Caracterização Financeira dos Municípios da Região do Norte – Dados Prestação de Contas 2018’, “parte significativa (38,6 por cento) das receitas geradas [num total de mais de 2,9 mil milhões de euros], i.e., cerca de 1.125 milhões de euros, provém de transferências financeiras obtidas, com particular destaque para as transferências do Orçamento de Estado (Fundo de Equilíbrio Financeiro, Fundo Social Municipal e Participação variável no IRS)”.

Os dados pela CCDRN revelam que “a segunda tipologia da receita mais significativa atinge os 806 milhões de euros (28 por cento) e resulta do montante proveniente de impostos directos (Imposto Municipal sobre Imóveis, Imposto Único de Circulação, Imposto Municipal sobre as Transacções Onerosas de Imóveis e Derrama)”.

PUBLICIDADE

Parte significativa (38,6 por cento) das receitas geradas [num total de mais de 2,9 mil milhões de euros] – cerca de 1.125 milhões de euros -, provém de transferências financeiras obtidas, com particular destaque para as transferências do Orçamento de Estado (Fundo de Equilíbrio Financeiro, Fundo Social Municipal e Participação variável no IRS). De acordo com os dados recolhidos, a segunda tipologia da receita mais significativa atinge os 806 milhões de euros (28 por cento) e resulta do montante proveniente de impostos directos (Imposto Municipal sobre Imóveis, Imposto Único de Circulação, Imposto Municipal sobre as Transacções Onerosas de Imóveis e Derrama).

O estudo analisa também as finanças municipais em termos de independência financeira, concluindo designadamente que apenas na sub-região da Área Metropolitana do Porto a fonte de financiamento associada a receitas próprias é dominante (51 por cento), situando-se as sub-regiões do Cávado e do Ave em valores mais próximos (45 por cento e 41 por cento, respectivamente) e ficando, no extremo oposto, os municípios das sub-regiões do Douro e de Terras de Trás-os-Montes (27 por cento e 28 por cento, respectivamente).

O relatório permite, igualmente, perspectivar as “enormes diferenças” dimensionais em presença, com a Área Metropolitana do Porto a representar quase 46 por cento das receitas totais dos municípios da Região do Norte (e mais de 60 por cento da totalidade de impostos e taxas arrecadados), contra os 2,3 por cento de Terras de Trás-os-Montes.

Relatório em www.ccdr-n.pt/administracaolocal

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.