OPINIÃO -

OPINIÃO - -

O Orçamento de Estado e a sua real execução

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Decreto-Lein.º84/2029 de 28 de junho estabelece as disposições necessárias à execução do Orçamento de Estado para 2019, aprovado pela Lein.º71/2018, de 31 de dezembro.

A Lei do Orçamento de Estado 2019 foi então aprovada no final do ano passado e o Decreto-lei de execução orçamental demorou 6 meses a ser aprovado?

Estamos em tempos “normais” e o governo tem a “lata” de publicar o Decreto-Lei de execução orçamental, agora?

PUBLICIDADE

É um facto. Vejam o diário da República.

Instituições credíveis deviam ter chamado a atenção para este facto mas nada! Deviam ter reprovado esta aprovação tão tardia. Mas não! Isto não é correto. É a qualidade das instituições que está em causa.

Atentemos ao seu CAPÍTULO II, no seu artigo 5º – “Utilização condicionada das dotações orçamentais”, as famosas cativações. Esta forma de atingir os objetivos não está correta.

A cativação das dotações correntes associada ao desinvestimento público funcionam como um verdadeiro pesadelo que atinge em cheio alguns sectores vitais como a saúde, os transportes, entre outros.

Mesmo perante uma conjuntura europeia favorável e a herança do governo anterior esta é a fase mais decepcionante dos últimos anos. Duma observação feita a 35 países em termos de competitividade fiscal Portugal está em penúltimo lugar (o segundo a contar do fim).

Temos o pior estado de investimento público da União Europeia e a carga fiscal mais elevada da nossa história.

É por isso que a base da Estratégia Macroeconómica do PSD passa pelo compromisso de reduzir a carga fiscal de forma gradual e sustentável. “Da proposta sobressaem três ideias principais: promover o investimento, incentivar as exportações e reduzir a carga fiscal para as famílias e empresas”.

O PS, pela voz de António Costa já disse que não reduzirá os impostos.

O PSD compromete-se a fazê-lo de forma responsável de modo sistemático, coerente e sustentável, reformando o Estado e combatendo a evasão fiscal promovendo um crescimento sustentável assente em exportações e investimento.

Para Rui Rio “baixar a carga fiscal é um imperativo nacional” na próxima legislatura, ao mesmo tempo que é crucial promover o aumento do investimento público de forma a proporcionar aos portugueses “melhor emprego e melhores salários”.

Para as Finanças Públicas, Rui Rio apresentará esta sexta-feira as propostas concretas do Partido. Fiquem atentos.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.