JUSTIÇA –

JUSTIÇA – -

Pede 62 mil euros em Tribunal por ter sido atingido por foguete vendido por empresa de Vila Verde

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Era uma festa de apoio a duas instituições sociais no campo de futebol do Amares. Mas acabou estragada. Um foguete pirotécnico lançado de um palco, em 20 de Junho de 2010, atingiu a perna de um cidadão, causando-lhe queimaduras. João Costa, antigo treinador do Trofense, pede, agora, no Tribunal de Braga, 62 mil euros de indemnização a dois membros da organização e à firma Piromagia, de Vila Verde, que vendeu o artefacto pirotécnico.

O lesado considera que a empresa e os dois promotores do evento solidário, Paula Alves e João Mendes, actuaram de forma negligente, ao permitirem que o “foguete” – lançado a partir de um tubo – tomasse a direcção errada, atingindo-o.

PUBLICIDADE

«Não tomaram as necessárias diligências e não respeitaram o Regulamento legal em vigor para o lançamento de fogo-de-artifício», argumenta.

Diz que, na sequência do acidente, ficou com queimaduras de 2º grau e teve de fazer uma cirurgia, no antigo Hospital de São Marcos de Braga, de reparação e restituição de pele.

Foi obrigado a deixar de treinar e esteve seis meses sem receber o ordenado.  E ainda hoje ostenta as marcas da queimadura e tem dores, com a mudança do tempo.

Os dois visados contrapuseram, na primeira sessão do julgamento que decorreu segunda-feira, que não foram eles a lançar o artefacto e que o mesmo decorreu de acordo com as instruções do vendedor.

A Piromagia diz que se limitou a vender os “foguetes”, que nem eram de seu fabrico e que deu as instruções necessárias para que o lançamento ocorresse em segurança.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS