ENSINO -

ENSINO - -

Pedro Bandeira preside à Escola de Arquitectura da UMinho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O professor Pedro Bandeira toma posse esta terça-feira, dia 24, como presidente da Escola de Arquitetura da Universidade do Minho (EAUM). A Reitoria adiantou que a cerimónia de investidura conta com o reitor Rui Vieira de Castro e decorre pelas 12h00 na Biblioteca Nuno Portas da EAUM, no campus de Azurém, em Guimarães.

Para o triénio 2018/2021, Pedro Bandeira terá como vice-presidentes os professores João Cabeleira e Marta Labastida.

PUBLICIDADE

A EAUM, que funcionou de 1996 a 2009 como Departamento Autónomo de Arquitetura da UMinho, foi consolidada por equipas lideradas pelos professores Carlos Bernardo, Paulo Cruz, Vincenzo Riso e Maria Manuel Oliveira.

A oferta educativa inclui o mestrado integrado, o doutoramento em Arquitetura, a licenciatura e o mestrado integrado em Design do Produto e a nova licenciatura em Artes Visuais, entre outros projetos.

O CE.EAUM foi responsável, entre outras obras, pela requalificação do Largo do Toural, em Guimarães. Esta Escola tem cerca de 400 alunos e 25 docentes de carreira. O seu edifício é da autoria de F. Távora e J. B. Távora.

ALDEIA DA LUZ

Da prática profissional de Pedro Bandeira destaca-se a co-autoria dos projetos “Nova Aldeia da Luz” (habitações e espaços públicos em Alqueva) e “Casa Rotativa” (Coimbra), que lhe valeu o Prémio SIM Criatividade, atribuído em 2011 pela Samsung.

O arquiteto representou Portugal nas bienais de Arquitetura de Veneza 2004 e São Paulo 2005, a convite do Ministério da Cultura. Resultado de investigação ou extensão universitária salientam-se as publicações “Floating Images – Eduardo Souto de Moura’s Wall Atlas”, “Power Architecture”, “Projectos Específicos para um Cliente Genérico”, “Arcosanti” e “Escola do Porto: Lado B, 1968-1978”, contemplada em 2015 com o Prémio de Crítica e Ensaística de Arte e Arquitetura, da Associação Internacional dos Críticos de Arte.

A polémica em torno de projetos como o concurso para a Rua da Sofia, em Coimbra, a proposta de relocalização da ponte D. Maria Pia, no Porto, instalações como “Trap” (Fundação EDP, Porto) e “Paradise” (Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia, Lisboa) ou, ainda, performances como “The Future is the Beginning” (Trienal de Arquitetura de Lisboa) e “Máquina Romântica” (Guimarães Capital Europeia da Cultura) expressam uma atividade profissional assumidamente eclética.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.