BRAGA -

BRAGA - -

Pedro Nuno Santos garante que interesse da Câmara de Braga será respeitado na definição do futuro das ‘Convertidas’

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O ministro das Infra-estruturas e da Habitação garantiu que o futuro do antigo Recolhimento das Convertidas do nada será definido “contra a vontade” da Câmara de Braga e da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Cávado.

Pedro Nuno Santos, que esta terça-feira visitou as ‘Convertidas’ – imóvel recentemente integrado no Plano de Reabilitação do Património Público para Arrendamento Acessível-, afiançou que o desejo da autarquia neste processo “será sempre respeitado” pelo governo.

Recorde-se que a integração do edifício naquele Plano mereceu a discordância do município e da CIM Cávado, considerando que o edifício faz parte da história da cidade e que existe interesse em garantir a sua preservação e adequação a um edifício residencial da memória histórica de Braga.

PUBLICIDADE

O governante, que considerou as ‘Convertidas’ um edifício com “importância cultural e histórica”, sugeriu uma avaliação ao imóvel para “identificar as possíveis soluções e o acordo avance. Se não houver [acordo] não se avança”.

“A nossa cooperação vai continuar e não fica prejudicada se o imóvel sair da lista [do Plano de Reabilitação do Património Público para Arrendamento Acessível]. Estamos ainda disponíveis para integrar no Plano outros imóveis que a Câmara possa ajudar a identificar”, afirmou Pedro Nuno Santos.

ESTUDO TÉCNICO

Já Ricardo Rio afirmou estar “satisfeito” com a “disponibilidade e lealdade institucional” assumida pelo ministro e com “a garantia de que os interesses e aspirações do município e dos agentes locais serão soberanos”.

“Aceitamos que seja feito o estudo técnico do edifício de modo a identificar o potencial aproveitamento do mesmo para diferentes fins. Com base nesse estudo teremos mais certezas sobre as soluções que podem ser adoptadas sem colocar em causa a perspectiva patrimonial e a salvaguardada da dimensão cultural na fruição do edifício”, referiu o presidente da autarquia.

“Temos projectos próprios da Câmara e da CIM Cávado que gostávamos de concretizar”, referiu, adiantando que, a título de exemplo, este seria um “espaço notável” para o arquivo municipal ou para a instalação de um museu interactivo da história da cidade.

“Se for possível articular esses princípios com outros fins para o imóvel, não vamos obstaculizar”, sublinhou, lembrando que o imóvel está afecto ao Ministério da Administração Interna e que, desde de 2017, a CIM Cávado tem manifestado a interesse em incluir o equipamento numa permuta, entregando o Palácio dos Biscainhos (sua propriedade mas ocupado pelo Estado com um museu) ao Estado e acolhendo o Recolhimento das Convertidas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS