VILA DE PRADO –  Perto de milhão e meio para requalificar Escola Básica

VILA DE PRADO –
Perto de milhão e meio para requalificar Escola Básica

A Escola Básica da Vila de Prado está já a ser alvo de uma requalificação, cujo valor global ascende a um milhão e meio de euros, de acordo com o presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela. O prazo de execução é de um ano.

O autarca, que falava durante a cerimónia simbólica de lançamento da primeira pedra da obra, que decorreu esta terça-feira, disse que esta intervenção «é uma necessidade».

Do total do investimento, 850 mil euros provêm de fundos comunitários no âmbito de uma candidatura apresentada pela Câmara e 75 mil do Ministério da Educação, sendo que a autarquia assume o restante.

PUBLICIDADE

«Inicialmente, iríamos destinar 75 mil euros para esta obra, que tinha estimado um investimento de um milhão de euros. No entanto, ao longo da elaboração do projecto, surgiram novas exigências, o que fez aumentar o valor, que o Município assumiu em cerca de 600 mil euros», explicou.

Para António Vilela, «trata-se de um investimento bem empregue e necessário para que as famílias encontrem em Vila Verde excelentes condições para os seus filhos».

AULAS EM CONTENTORES

O Director do Agrupamento de Escolas de Prado, José António Peixoto, explicou que as aulas «decorrem com normalidade», sendo que os blocos estão a ser intervencionados por fases.

«Neste momento, temos um bloco em obras, que está ser substituído por salas monobloco, que garantem as condições para funcionar com a normalidade possível. As aulas no outro bloco decorrem normalmente», vincou.

No momento de intervencionar o segundo bloco, «far-se-á a troca» e passarão essas aulas para os “contentores” instalados no campo de jogos.

150 MILHÕES NO NORTE

O Delegado Regional da Educação do Norte, José Mesquita, lembrou que «este é um dos muitos actos de requalificação que estão a decorrer na região Norte», sublinhando que, com o novo quadro comunitário, desde há três anos, há um investimento de 150 milhões de euros em estabelecimentos de ensino desta zona.

«Não resolve de todo os problemas, mas deixá-los numa posição mais confortável do que o resto do país», frisou.

José Mesquita sublinhou que este investimento permitirá «ter mais conforto» e ajudar a que «haja melhores condições de aprendizagem», agradecendo a vontade da Câmara, «que desde a primeira hora quis ser parceira para dar melhores condições a todos os que trabalham nesta escola».

Mais desenvolvimentos na edição impressa de Outubro