SAÚDE

SAÚDE -

“Portugal está dentro da curva programada para a mortalidade”, garante Graças Freitas

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A directora-geral da Saúde disse esta sexta-feira que Portugal está “dentro da curva programada para a mortalidade”, analisando a subida registada em ligação com a covid-19, mas também lembrando que os primeiros meses do ano registaram menos. O Norte tem o número de casos estabilizados, diz.

“Nos primeiros meses este ano tivemos uma mortalidade muito baixa. Tivemos um Inverno muito ameno e uma actividade gripal pouco intensa. Janeiro e Fevereiro foram meses com muitos poucos óbitos por comparação com períodos homólogos nos últimos cinco anos”, começou por dizer Graça Freitas, para depois garantir que agora se está dentro, outra vez, “dos valores esperados para a época”.

“E dentro da curva programada para a mortalidade (…). A pequena subida que se verificou em Abril e que contribuiu para esse número deve-se a mortes covid e a mortes por todas as outras causas. Temos de ver isto no continuo entre o início do ano e a data actual e vendo que os primeiros meses tiveram muito pouca mortalidade. Agora estamos dentro, outra vez, dos valores esperados para a época e dentro da curva programada para a mortalidade”, referiu a directora-geral da Saúde.

PUBLICIDADE

Portugal registou entre 1 de Março e 10 de Maio mais 1.964 mortes que no período homólogo de 2019 e mais 878 comparativamente a 2018, segundo dados divulgados esta sexta-feira e pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os dados preliminares do INE, que dizem respeito à mortalidade geral (todas as causas de morte) no país, explicam que “o aumento relativamente a 2019 resulta sobretudo do acréscimo dos óbitos em pessoas com 75 e mais anos (+ 1.893)”.

Instada a comentar estes números na conferência de imprensa diária de ponto de situação sobre a pandemia covid-19 em Portugal, Graça Freitas disse que nas mortes “não covid” não houve registo de alguma situação “em específico”.

“Em Abril tivemos um pequeno pico de mortalidade sobretudo em pessoas mais idosas e neste pequeno pico estão incluídos casos covid e outras situações não covid, nenhuma em específico. Neste momento a mortalidade – comparada com os períodos homólogos e com o intervalo de confiança – está completamente dentro dos valores e parâmetros esperados”, frisou Graça Freitas.

Também esta sexta-feira foram divulgados dados do INE que dão conta de que o número de casos confirmados de covid-19 em Portugal era de 29,1 por cada 10 mil habitantes na quarta-feira, um aumento de 12% em relação a 6 de Maio.

Ao comentar estes dados, Graça Freitas aproveitou para fazer uma análise da curva epidemiológica actual em Portugal, afirmando que “nos últimos dias” foi “estabilizado” o número de novos casos por dia na ordem dos 200 e 300 e que, tirando a “situação muito concreta” na Azambuja “com um surto grande e dois pequeninos”, os restantes novos casos “são coisas localizadas”.

“E depois há uma transmissão comunitária no resto do país que já foi mais intensa. Neste momento o Norte tem o número de casos estabilizados e menor do que teve no passado. A região Centro melhorou muito. As regiões do Algarve e do Alentejo praticamente não têm apresentado novos casos. Na região de Lisboa e Vale do Tejo concentra-se actualmente a maioria dos casos. Esta é a situação que estamos a acompanhar com mais cuidado”, disse Graça Freitas.

Segundo a directora-geral, nos casos “territorialmente dispersos” a origem da infecção e transmissão tem sido “familiar” e “dentro da habitação”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS