BRAGA –

BRAGA – -

Preço do estacionamento em Braga desce em Outubro de um euro/hora para 80 cêntimos

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Câmara de Braga votou esta segunda-feira, por maioria, em reunião do executivo, o arranque da discussão pública em torno de um procedimento de alteração de taxas que vai culminar, em Outubro, com a descida do custo de uma hora do estacionamento à superfície de um euro para 80 cêntimos.

Mas, após um período de discussão pública e da votação na Assembleia Municipal em Setembro, vai aumentar a fiscalização entregando-a aos TUB- Transportes Urbanos de Braga.

PUBLICIDADE

A medida teve os votos favoráveis da maioria PSD/CDS e do PS e abstenção da CDU.

Comentando a medida, o vereador socialista Artur Feio defendeu ser preciso que se crie uma espécie de anéis em torno do centro histórico, ou seja, zonas onde se pague menos, as residenciais, e outras em que o custo seja superior, nomeadamente no centro histórico, onde as pessoas precisam de se deslocar por razões profissionais. Quer assim “uma taxa variável”.

Já o comunista Carlos Almeida justificou a abstenção com o facto de a maioria que gere a Câmara ter posto “o carro à frente dos bois”, isto porque a proposta apresentada aos vereadores já foi elaborada pelos TUB, quando esta empresa municipal ainda nada tem a ver com os parcómetros, dado que a passagem da gestão só ocorre em Setembro/Outubro.

MÁXIMO DE DUAS HORAS

No final, o presidente da Câmara, Ricardo Rio, adiantou aos jornalistas que o mínimo de período de estacionamento é de 15 minutos, a 0,20 cêntimos, e o máximo de duas horas.

“Delegámos a gestão do estacionamento pago à superfície nos TUB, que têm tido uma gestão exemplar e sem financiamento do Estado central. Esta pode também ser boa fonte de receita para a empresa municipal em benefício dos munícipes”, referiu.

O autarca explicou que, por um lado, “não faz sentido” que os parcómetros municipais estejam quase ao mesmo preço daquele que é praticado em parques privados e, por outro, pela circunstância de que, actualmente, apenas 18 por cento dos parcómetros à superfície são ocupados e pagos, em parte devido à falta de efectivos da Polícia Municipal.

FISCALIZAÇÃO

“Mudam-se as regras mas a fiscalização será intensa e quem não pagar sofre as consequências legais”, sublinhou, sustentando que “o novo tarifário serve melhor a mobilidade e beneficia o comércio, facilitando o acesso ao centro urbano”.

O documento em discussão refere que “a taxa adequada ao estacionamento na rua é aquela que garante pelo menos um lugar livre em cada oito e em que não há a necessidade de dar voltas à procura de lugar”.

“É necessário um preço que responda à procura, que não seja tão baixo que leve a um excesso de ocupação, nem tão alto que crie um sistema vazio e traga um boicote ao centro da cidade”, escreve a DMGAP-Direcção Municipal de Gestão, Administração e Prospectiva.

A autarquia reassumiu em 2018 o estacionamento pago à superfície.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS