PAÍS

PAÍS -

Presidente da Câmara de Braga defende que Agenda 2030 ganha “novo impulso” com envolvimento das autoridades locais

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Câmara Municipal de Braga alertou para o “papel crucial” na resolução de problemas da sociedade e do envolvimento das autoridades locais e regionais nos planos de recuperação e resiliência.

Falando esta sexta-feira na Assembleia das Regiões da Europa, que decorreu em Estrasburgo, Ricardo Rio considerou ainda “primordial” a acção das autoridades locais para estabelecer um “novo impulso” da Agenda 2030.

PUBLICIDADE

“A crise pandémica veio provar que as cidades e as suas organizações têm um papel crucial na resolução de problemas da sociedade e o envolvimento das autoridades locais e regionais nos planos de recuperação e resiliência, é primordial para estabelecer um novo impulso da Agenda 2030”, disse.

Participando por videoconferência, o autarca bracarense abordou a importância do papel regional e local na realização dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Agenda 2030 da ONU.

“É necessário implementar uma abordagem subsidiária para alcançar regiões sustentáveis e resilientes num mundo pós-pandémico, uma vez que as consequências económicas, sociais e ambientais causadas pela pandemia obrigam a darmos um novo impulso para o cumprimento dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável”, explicou Ricardo Rio, sustentando que “o esforço global e nacional é agora mais necessário do que nunca”.

Na sua intervenção, Ricardo Rio explicou que são quatro os factores que devem ser implementados para que se possa alcançar os ODS e corresponder aos desafios que a pós-pandemia impõe.

CAPACITAR AUTORIDADES REGIONAIS

“Primeiro é necessário tem uma visão holística para o território e não nos cingirmos apenas a um dos ODS para conseguirmos atingir a uma política global. Depois, temos de garantir o envolvimento formal ou informal de todos os agentes na construção das políticas”, disse.

Em terceiro lugar, continuou, “é necessário capacitar a autoridades locais e regionais de ferramentas adequadas para que sejam desenvolvidas iniciativas específicas que possam acelerar o cumprimento dos ODS e, por último, é muito importante criar uma plataforma onde se possa avaliar nível de cumprimento dos ODS, interligando-os com os planos de resiliência nacionais e europeus”.

Sustentou que só, dessa forma, “teremos um controlo mais eficaz se forma avaliar os resultados das políticas implementadas”.

Esta conferência da Assembleia das Regiões da Europa, debruçou-se sobre ‘O Caminho a Seguir – Alcançando Regiões Sustentáveis e Resilientes num Mundo Pós-Pandémico’. Além de Rio, a sessão contou ainda com a participação de Gonzalo Pizarro, conselheiro de política regional para a integração dos ODS do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Leen Verbeek, presidente do Congresso de Autoridades Locais e Regionais, e de Magnus Berntsson, presidente da Assembleia das Regiões da Europa.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.