VILA VERDE

VILA VERDE -

PS critica Mesa da Assembleia Municipal. «Este é um regime que quer silenciar a oposição»

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Mesa da Assembleia Municipal de Vila Verde recusou o requerimento apresentado pelo PS para aditar pontos à ordem de trabalhos da reunião desta quarta-feira, o que motivou duras críticas da bancada socialista.

«Não nos surpreende esta posição absurda – absolutamente incoerente, contraditória e ilegal – que se insere na lógica ditatorial do regime que procura silenciar a oposição e limitar os poderes da Assembleia de modo a facilitar a manipulação dos vilaverdenses com mentiras e propaganda», refere.

PUBLICIDADE

Num comunicado assinado pelo líder da bancada socialista na Assembleia Municipal, Samuel Estrada, o PS diz que «a Assembleia Municipal encontra-se há muito sequestrada por membros que se encontram reféns do regime e que se entregaram a mandatos vegetativos e coniventes com as agressões aos interesses do Concelho praticadas pelo executivo».

«Esta recusa não pode deixar de ser vista como uma posição política que define o regime: um regime que prefere a propaganda em vez do debate político e a verdade; um regime que limita a democracia e as suas instituições; um regime que prefere os casos em detrimento das causas; um regime que promove interesses e agendas dissonantes das necessidades dos vilaverdenses», acrescenta.

Reportando-se aos pedidos concretos apresentados no requerimento, o PS deixa várias interrogações, nomeadamente «por que não quer o regime ampliar os circuitos de recolha do lixo e realizar campanhas de sensibilização ambiental – conforme previsto no contrato celebrado com a empresa contratada para o efeito?».

«Por que não quer o regime esclarecer o tratamento dado as queixas de violações ambientais praticadas pela empresa que garante a recolha do lixo? Afinal de que lado está o regime? Da empresa que faz a recolha do lixo ou dos vilaverdenses?», questiona.

Os socialistas pedem ainda clarificações sobre a compra do Instituto Empresarial do Minho e sobre as requalificações das escolas básicas de Vila Verde e de Prado, assim como da antiga adega, considerando que «é necessário» obter esclarecimentos.

«A governação de Vila Verde não pode continuar a ser orientada numa lógica de bar aberto para amigos e escondida dos vilaverdenses como se fosse um ficheiro secreto. E a Assembleia não pode continuar embalsamada, e escondida dos vilaverdenses. Precisamos urgentemente de densificar a sua acção política elevando o seu papel de modo a garantir não só uma melhor fiscalização mas também a capacidade de gerar soluções e respostas para os problemas do concelho», frisa.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.