VILA VERDE –  PS quer criação de Orçamento Municipal Participativo

VILA VERDE –
PS quer criação de Orçamento Municipal Participativo

O PS de Vila Verde defende a criação de um Orçamento Participativo, sobretudo para apoiar projectos de associações e grupos de cidadãos, que permita «uma democracia local participada e que valorize políticas de intervenção objectivas, de resposta a problemas concretos de Vila Verde e dos vilaverdenses».

A proposta dos socialistas, anunciada esta terça-feira em comunicado, vai ser apresentada aquando da elaboração do Plano de Actividades e Orçamento Municipal para 2019.

PUBLICIDADE

«O PS de Vila Verde defende a institucionalização do Orçamento Participativo, em que a decisão política de intervenção, a definição de prioridades infraestruturais e a aplicação do dinheiro público municipal passe por um processo de debates abertos a todos, onde devam participar todas as associações concelhias e todos os cidadãos interessados em contribuir com as suas opiniões para a resolução dos problemas de Vila Verde e dos vilaverdenses», explica.

Segundo os socialistas, «o Plano e Orçamento Municipal devem ser regidos por princípios democráticos, de envolvência e participação de todos quantos queiram colaborar».

«Não pode ser apenas um instrumento das opções políticas de quem governa. Deve, por isso, ser um documento demonstrativo da atenção que a autarquia tem pelas necessidades e anseios de todos os vilaverdenses», frisa.

É neste contexto que o PS propõe que o executivo camarário implemente o Orçamento Participativo no concelho, apresentando uma proposta de metodologia e objectivos para discussão a ser aprovado pela Assembleia Municipal.

«Compete à autarquia assegurar a criação de meios humanos e financeiros que permitam a implementação desta importante medida. É uma questão de vontade política. Aliás, o executivo camarário, para além de institucionalizar o processo no Orçamento Municipal deveria criar estímulos às freguesias no mesmo sentido», vinca.

Para o PS, «envolver todos os vilaverdenses na vida do concelho é sinal de uma democracia madura, transparente, sem medos, e capaz de ouvir os cidadãos e de prestar atenção aos seus reais problemas, resolvendo-os».