VILA VERDE – PS quer que Câmara compre e torne casa em que viveu Sá de Miranda uma «referência cultural»

VILA VERDE –
PS quer que Câmara compre e torne casa em que viveu Sá de Miranda uma «referência cultural»

Os vereadores do PS na Câmara de Vila Verde querem que a autarquia «avalie e encete esforços junto dos actuais proprietários da “Casa do Côto”, sita em Duas Igrejas, onde viveu Sá de Miranda, no sentido de a adquirir e requalificar, tornando o espaço como uma referência cultural».

Os socialistas propõem também que o Município realize as próximas edições da Feira Quinhentista em homenagem a Sá de Miranda na Ribeira do Neiva, «local onde efectivamente o poeta viveu, mantendo as restantes parcerias e actividades envolvendo nelas todo o concelho».

PUBLICIDADE

Estas são duas propostas apresentadas pela vereação do PS, que serão discutidas na próxima reunião de Câmara.

No texto que sustenta a proposta, os vereadores José Morais, Luís Castro e Cláudia Pinto lembram que foi em Duas Igrejas, na Ribeira do Neiva, que Sá de Miranda «passou 20 anos da sua vida e na beleza daquela terra e nobreza daquela gente se terá inspirado para escrever muitas das melhores obras literárias que nos deixou».

«Francisco Sá de Miranda que andou efectivamente por “Terras da Ribeira do Neiva”, sendo hoje considerado como uma figura nacional de relevo cultural – que teve ligações à nossa terra  –  merece outra estratégia por parte do Município de Vila Verde para a sua homenagem», consideram.

Para o PS, «p modelo deste evento deve manter a Feira Quinhentista mas apostar mais na divulgação cultural da obra do “poeta do Neiva”, seja através da declamação de poemas, workshops, saraus, encenações e peças de teatro».

«Como forma de valorizar o concelho como um todo, oferecendo as mesmas oportunidades de desenvolvimento a todas as freguesias, e num ato de justiça e coerência para com a Ribeira do Neiva e até mesmo com o percurso de vida de Sá de Miranda, considera-se que a realização deste evento não deveria ocorrer na sede do concelho nem se esgotar na Feira Quinhentista», frisam.