ASSEMBLEIA MUNICIPAL

ASSEMBLEIA MUNICIPAL -

PS Vila Verde quer que Câmara mantenha serviços de saúde no Vade

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O PS de Vila Verde, pela voz da deputada municipal Deolinda Pimenta, apresentou esta quinta-feira uma recomendação na Assembleia Municipal para que a Câmara faça todos os esforços para que a extensão de saúde do Vade continue a funcionar naquela União de Freguesias durante o período de obras.

«Durante o período em que vão ser realizadas as obras no Posto de Saúde da Portela do Vade, os utentes desta unidade de Saúde reclamam que os serviços médicos continuem a ser prestados na sua terra, num espaço alternativo», disse a socialista.

PUBLICIDADE

Por isso, considerando «que este desejo e esta reivindicação são legítimos, que a ARS Norte não se opõe a esta pretensão das gentes do Vade, desde que reunidas as condições técnicas necessárias e sendo a Câmara Municipal de Vila Verde a dona da obra», questionou António Vilela se «está disponível para criar as condições necessárias para que a ARS Norte possa manter os serviços de saúde no Vade».

«A bancada do PS exorta e recomenda à Câmara que responda positivamente aos anseios legítimos da população do Vade, de modo a que possa receber na sua terra os cuidados de saúde primários», apontou.

Na resposta após a interpelação, o presidente da autarquia, António Vilela, disse que os espaços apresentados como alternativa, o pavilhão multiusos e a Casa do Povo, não foram aceites pela ARS Norte, por não reunirem as condições técnicas, tal como “O Vilaverdense” então noticiou.

Por isso, segundo o autarca, os responsáveis da ARS Norte sugeriram a utilização do Centro de Saúde de Vila Verde. «Face a esta circunstância não tínhamos alternativa que não fosse essa, a não ser criar uma unidade provisória na Portela do Vade, com custos elevadíssimos», apontou.

Vilela acrescentou que, juntamente com a Junta de Freguesia, vai ser disponibilizado transporte aos utentes que dele necessitem e que os actos administrativos, como marcação de consultas, poderão ser feitos no Espaço do Munícipe do Vade.

Em comunicado, o PS diz que «o presidente da Câmara continua a dar resposta negativa aos anseios da população do Vade em manter o serviço de saúde na freguesia, no período em que decorrem as obras».

«Nega tal possibilidade e acredita-se que a decisão do presidente da Câmara e do executivo PSD se prende unicamente com razões económicas, o que será um contrassenso pois o investimento para a manutenção dos serviços no Vade é muito inferior ao que se gasta, por exemplo, na gala namorar Portugal», criticam os socialistas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS