ASSEMBLEIA MUNICIPAL

ASSEMBLEIA MUNICIPAL -

PS Vila Verde quer que Câmara mantenha serviços de saúde no Vade

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O PS de Vila Verde, pela voz da deputada municipal Deolinda Pimenta, apresentou esta quinta-feira uma recomendação na Assembleia Municipal para que a Câmara faça todos os esforços para que a extensão de saúde do Vade continue a funcionar naquela União de Freguesias durante o período de obras.

«Durante o período em que vão ser realizadas as obras no Posto de Saúde da Portela do Vade, os utentes desta unidade de Saúde reclamam que os serviços médicos continuem a ser prestados na sua terra, num espaço alternativo», disse a socialista.

PUBLICIDADE

Por isso, considerando «que este desejo e esta reivindicação são legítimos, que a ARS Norte não se opõe a esta pretensão das gentes do Vade, desde que reunidas as condições técnicas necessárias e sendo a Câmara Municipal de Vila Verde a dona da obra», questionou António Vilela se «está disponível para criar as condições necessárias para que a ARS Norte possa manter os serviços de saúde no Vade».

«A bancada do PS exorta e recomenda à Câmara que responda positivamente aos anseios legítimos da população do Vade, de modo a que possa receber na sua terra os cuidados de saúde primários», apontou.

Na resposta após a interpelação, o presidente da autarquia, António Vilela, disse que os espaços apresentados como alternativa, o pavilhão multiusos e a Casa do Povo, não foram aceites pela ARS Norte, por não reunirem as condições técnicas, tal como “O Vilaverdense” então noticiou.

Por isso, segundo o autarca, os responsáveis da ARS Norte sugeriram a utilização do Centro de Saúde de Vila Verde. «Face a esta circunstância não tínhamos alternativa que não fosse essa, a não ser criar uma unidade provisória na Portela do Vade, com custos elevadíssimos», apontou.

Vilela acrescentou que, juntamente com a Junta de Freguesia, vai ser disponibilizado transporte aos utentes que dele necessitem e que os actos administrativos, como marcação de consultas, poderão ser feitos no Espaço do Munícipe do Vade.

Em comunicado, o PS diz que «o presidente da Câmara continua a dar resposta negativa aos anseios da população do Vade em manter o serviço de saúde na freguesia, no período em que decorrem as obras».

«Nega tal possibilidade e acredita-se que a decisão do presidente da Câmara e do executivo PSD se prende unicamente com razões económicas, o que será um contrassenso pois o investimento para a manutenção dos serviços no Vade é muito inferior ao que se gasta, por exemplo, na gala namorar Portugal», criticam os socialistas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.