PENSÕES DE REFORMA

PENSÕES DE REFORMA -

Quase 70% dos pensionistas recebe reforma abaixo de mil euros

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Um inquérito recente, conduzido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), trouxe à luz dados preocupantes sobre a situação dos pensionistas em Portugal. De acordo com os resultados agora divulgados, cerca de 70% dos 1,1 milhões de pensionistas por velhice recebem uma reforma que não ultrapassa os 1000 euros. Mais alarmante ainda, nos dados, assinala o Correio da Manhã, é o facto de que a maioria destes beneficiários têm pensões que não excedem os 600 euros.

A divulgação desses números coincidiu com o Dia Mundial da Segurança Social, sublinhando a importância de avaliar os regimes estatutários de proteção social e o impacto na qualidade de vida dos beneficiários após a sua transição para a situação de pensionistas.

Segundo o inquérito do INE, a decisão de se aposentar é frequentemente tomada perto da idade legal de reforma, que em 2023 era de 66 anos e quatro meses.

Dos entrevistados, entre 65 e 69 anos, 73,4% solicitaram a reforma por velhice. Este número aumenta para 94% entre os entrevistados com idades entre 70 e 74 anos.

Outro dado relevante destacado no estudo é a relação entre o nível de escolaridade dos pensionistas e o valor da pensão. Aproximadamente 70% dos beneficiários de pensões superiores a 2000 euros possuem formação superior.

No momento da transição para a reforma, 57,5% dos entrevistados afirmaram ter deixado de trabalhar imediatamente após receberem a primeira pensão de velhice.

Dentre esses, 67,2% mencionaram como motivo a elegibilidade ou a idade para beneficiarem da pensão, enquanto 16,4% citaram razões de saúde ou invalidez para interromperem sua vida profissional.

O inquérito também apontou que cerca de 46,5% dos pensionistas continuaram a trabalhar após receberem a primeira pensão devido a “dificuldades financeiras” em viver apenas com o valor da prestação recebida.

Além disso, 30,8% continuaram ativos por desejo de se manterem produtivos, enquanto 10,9% mencionaram a “necessidade de se manterem socialmente integrados” como justificação para permanecerem no mercado de trabalho.

ovilaverdense@gmail.com

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
3€ / mês

* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 36€ / ano.