POLÍTICA -
Ricardo Costa acusa organização das eleições à Distrital de Braga do PS de “fraude” e pede impugnação

Ricardo Costa apresentou um pedido de impugnação da decisão da Comissão Organizadora do Congresso (COC) da Federação de Braga do PS por discordância sobre a proporcionalidade do número de delegados de cada um dos concelhos do distrito. O candidato da lista B considera a decisão uma “fraude”.

Em comunicado enviado esta quarta-feira ao PressMinho/ O Vilaverdense, a  candidatura de Ricardo Costa, afirma que “a COC tomou uma decisão contrária ao que está definido nos estatutos do PS uma vez que não considerou o número de militantes de cada uma das concelhias para a definição dos delegados”.

A lista B recorda que a COC  “é constituída por apoiantes declarados” de Joaquim Barreto, actual líder da Distrital e candidato da lista A, e as concelhias onde o apoio a Ricardo Costa se “prevê maioritário apresentam uma menor proporção de delegados”.

PUBLICIDADE

A candidatura exemplifica: “considerando o universo de 450 delegados definido pela COC, Guimarães de onde Ricardo Costa é natural, deveria eleger 81 deputados ao contrário dos 59 (menos 27%) definidos pela organização do congresso. Barcelos, terra natal da candidata às Mulheres Socialistas apoiada por Ricardo Costa, teria direito a 125 delegados mas a COC aprovou apenas 63 delegados (menos 49% de delegados).

Em contraponto, afirma Costa,  “Cabeceiras de Basto, de onde Joaquim Barreto é natural, foi contemplada com 38 deputados ao contrário de 32 (mais 19%) se se considerar a proporcionalidade”.

Aquela candidatura “aguarda que os órgãos jurisdicionais nacionais possam analisar em tempo útil o pedido de impugnação relativo à fraude votada na Comissão Organizadora do Congresso”.

“De salientar que a distribuição desproporcional de delegados definida pela Organização do Congresso e a forma de constituição das listas candidatas definidas pelos estatutos do PS dão origem a que Joaquim Barreto obtenha a totalidade de delegados de algumas concelhias”, lê-se no comunicado.

“Com esta artimanha matemática, o camarada Joaquim Barreto consegue o que se pensava não existir desde o 25 de Abril. Esta é apenas mais uma situação que revela uma certa prática política que a nossa candidatura se propõe combater. Não é assim que se faz política democrática”, afirma Ricardo Costa.

Recorde-se que a votação interna do PS e a realização do Congresso foi adiada por razões de saúde pública, que decisão que  “obteve a total concordância da lista B”.