BRAGA

BRAGA -

Ricardo Rio afirma que «falta de vontade política» é o principal entrave à Regionalização

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, participou esta quinta-feira, 29 de Abril, na palestra “Regionalização: Estaremos perto da solução?”, promovida pelo CEAP – Centro de Estudos de Administração Pública da Universidade do Minho. O evento foi moderado por Pedro Camões, professor da Universidade do Minho.

Na sessão, o autarca sublinhou que o principal entrave para a concretização do processo de regionalização é a «falta de vontade política dos principais partidos do panorama nacional». 

«Esta é uma matéria em que não têm sido assumidos compromissos com clareza e hoje o que vemos é o governo a implementar, de forma lenta e pouco eficaz, algumas medidas que poderão contribuir para a regionalização. Não se sente que haja mobilização dos partidos para avançar com este processo que teria sempre de ser legitimado pelos cidadãos», referiu, enfatizando a importância de se «obter uma expressão maioritária favorável à regionalização».

PUBLICIDADE

Em nota enviada, Ricardo Rio revela que os processos de descentralização que estão a ser desenvolvidos assemelham-se a um «presente envenenado». 

«O que verificamos é que não há endosso do poder de decisão, mas apenas das competências administrativas ou operacionais, e dentro dessa versão há ainda o vício de os recursos transferidos não corresponderem ao custo real dessas necessidades administrativas ou operacionais. São processos lesivos da situação financeira de quem recebe as responsabilidades e da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos», criticou.

Nesse sentido, o Presidente do Município de Braga lembrou as assimetrias entre as regiões para defender a necessidade de uma verdadeira regionalização. 

«Pegando no exemplo do Norte de Portugal, não é compreensível que o principal motor demográfico e económico do país ostente os níveis de rendimento mais precários do todo o território nacional e não se veja uma preocupação em colmatar essas lacunas e apoiar os cidadãos com recursos que permitam melhores níveis de desenvolvimento», disse, defendendo uma alocação de verbas «mais justa» e que «não existe no país a predisposição para se olhar para o conjunto dos territórios de modo a promover-se políticas de coesão».

«O melhor exemplo é o que se passou com o Plano de Recuperação e Resiliência, onde não se ouviram as pretensões dos agentes locais nem se valorizam as diferentes dimensões regionais».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.