INCÊNDIOS

INCÊNDIOS -

Sapadores florestais do Cávado já partiram para combater incêndio na Serra da Estrela

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Três equipas de sapadores florestais da Associação Florestal do Cávado partiram, esta sexta-feira à tarde, de Braga para a zona da Serra da Estrela para integrar o dispositivo de combate ao incêndio do Garrocho, que está a atingir concelhos do distrito de Castelo Branco.

A mobilização das equipas de Sapadores Florestais – com 15 elementos afectos às estruturas de acção nos concelhos de Braga, Amares e Vila Verde – surge na sequência de solicitação do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), para responder a pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

PUBLICIDADE

Em comunicado, o presidente da Associação Florestal do Cávado, Carlos Cação, agradeceu a disponibilidade das equipas de sapadores que vão estar já esta noite no combate às chamas “em zonas de maior dificuldade de intervenção”, aproveitando para desafiar as autoridades nacionais e o Governo a “reconhecerem o trabalho destes profissionais na defesa do património florestal e do país”.

“Os sapadores estão hoje a provar, mais uma vez, que estão sempre prontos para dar o máximo e o seu melhor no serviço a favor do país e na defesa do património natural e florestal que é de todos, apesar de o Governo insistir numa injustiça, ao não apoiar nem reconhecer os direitos que são merecidos e devidos aos sapadores”, apontou o líder associativo, que é também deputado eleito pelo PSD.

Num momento de cumprimento e incentivo às equipas de sapadores florestais no momento da partida para o terreno, Carlos Cação lamentou que “o Governo continue a não reconhecer aos sapadores florestais a carreira profissional e o subsídio de risco”.

“É demasiado evidente que são direitos merecidos e justos. Infelizmente, vamos ter de continuar esta luta. Mas estou convicto que o sucesso e qualidade do trabalho que os sapadores desenvolvem vão acabar por triunfar e convencer os governantes”, vaticinou.

Carlos Cação enfatizou ainda a importância da acção dos sapadores florestais para a prioridade que deve ser dada a uma estratégia de prevenção.

“Infelizmente, continua a ser mais fácil dar montes de dinheiro para o combate a incêndios, em vez de apostar seriamente na prevenção. Não podemos olhar a meios quando está a arder, é certo. Mas é lamentável que a prevenção não passe dos discursos, ainda para mais quando o preço que um avião Kamov custa por hora (35 mil euros) o valor que corresponde à totalidade que o Estado assume por cada equipa de sapadores florestais”, afirmou.

O presidente da AFCávado – a associação com mais equipas de sapadores florestais no país – lançou ainda a questão sobre “o que é feito da AGIF – Agência de Gestão Integrada de Fogos Florestais”, criada em 2018 pelo Governo “com a promessa de impedir que se repetissem os incêndios de 2017”, mas que “nunca passou da distribuição de panfletos, sem que nesta altura apareça onde quer que seja”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.