DESPORTO

DESPORTO -

SEF investiga 37 casos de jogadores estrangeiros de futebol traficados para Portugal

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O SEF – Serviço de Estrangeiros e Fronteiras está a investigar 37 casos de tráfico de pessoas, que envolvem 149 aspirantes a jogadores de futebol trazidos ilegalmente da Argentina, do Brasil, da Colômbia e da Nigéria por falsos agentes desportivos.

Já foram constituídos 43 arguidos, a maioria dirigentes de clubes de futebol, por suspeita de crimes de tráfico de pessoas, falsificação de documentos, auxílio à imigração ilegal e burla.

PUBLICIDADE

“O jogador é seduzido com uma proposta de trabalho e, quando chega, vê-se dominado, privado do salário prometido, e a viver em condições indignas, apesar de treinar e jogar ao fim de semana”, adiantou a O Vilaverdense o presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), Joaquim Evangelista, o órgão que denunciou a situação.

Evangelista salienta que, “em muitos casos, é-lhe retido o passaporte e limitado o contacto com familiares para dar a aparência de que está tudo bem”. E chega a abandonar o atleta.

O sindicalista diz que, perante situações destas e quando o jogador não tem condições de permanência em Portugal, nem condições para se tornar profissional, o SJPF contacta a embaixada respectiva “para tentar o seu repatriamento”.

Na falta de resposta, o Sindicato “garante-lhe a estadia e a alimentação e já suportou muitos voos de regresso”.

A seguir, o Departamento Jurídico instaura queixas-crime e disciplinares, para ressarcir os jogadores dos danos causados. A primeira denúncia entrou em 2020.

PUNIR INFRACTORES

Para o presidente do SJPF, “é preciso educar as pessoas e punir com celeridade os infractores”.

E sublinha: “Os dividendos são, desde logo, dos recrutadores, quase sempre falsos intermediários, não registados na FPF. Recebem dinheiro para fazer a ponte com um clube. Os dirigentes, geralmente de escalões inferiores e âmbito regional, acabam por beneficiar com jogadores estrangeiros a custos diminutos”.

Joaquim Evangelista anota que, “se um destes atletas se afirmar desportivamente e for transferido para outro clube ou liga maior, todos lucram”.

Acrescenta que, ultimamente, houve “alguns avanços”, por proposta do SJPF, caso do regulamento disciplinar da FPF que prevê que dirigentes e clubes sejam sancionados “por violação de deveres de cuidado, ainda que o jogador se encontre a treinar no clube sem estar inscrito”.

“Após participação disciplinar de um estrangeiro a treinar num clube, inscrito ou não, confirmada por auto do SEF, o dirigente pode ser punido com dois anos de suspensão. O mesmo para o agente registado como intermediário, que pode perder a licença. Isto, sem prejuízo do enquadramento criminal”, acentua.

DEBATER SOLUÇÕES

Face ao aumento dos casos denunciados e à dificuldade em dar uma resposta aos afectados, o SJPF chamou o Governo, através da Secretaria de Estado da Juventude e Desporto, a qual fez já duas reuniões de trabalho, a última com a Federação Portuguesa de Futebol, Ministério dos Negócios Estrangeiros, SEF, Alto Comissariado para as Migrações, Secretaria de Estado Adjunto e da Justiça e Secretaria da Acção Social.

“Queremos definir melhores procedimentos e propor medidas que ajudem a combater estes ilícitos, a punir quem os promove e a proteger as vítimas, dando-lhes assistência e dignidade enquanto permanecem no país”, diz Evangelista.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.