OPINIÃO

OPINIÃO -

Ser médico, uma luta contra o tempo

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Por Luís Sousa

Fazemos, a todas as horas, contas ao tempo, sabendo que passa e não volta atrás, querendo que passe ou que se atrase consoante o momento. Porém, o tempo, imune às nossas vontades, vai, num marca-passo constante, minuto a minuto, somando horas aos nossos dias de vida que se tornarão anos, ou não, consoante a vontade de Deus. De facto é o tempo que vai regulando a nossa existência e tudo o que fazemos ou deixamos por fazer, de bem ou de mal, tem um tempo a si predestinado.

Diariamente, no exercício da profissão que abracei, sinto a fugacidade do tempo. Do tempo que me impele a acabar a consulta mais cedo para não atrasar a seguinte. Do tempo que não me dá tempo para ouvir o doente como eu gostaria que me ouvissem se fosse eu o doente.

PUBLICIDADE

Bem sei que a Medicina Geral e Familiar é uma especialidade que se caracteriza por «ter um processo de consulta singular em que se estabelece uma relação ao longo do tempo, através de uma comunicação médico-paciente efetiva» que assenta numa «prestação de cuidados continuados longitudinalmente consoante as necessidades do paciente» (Definição Europeia, WONCA).

Assenta em cuidados transversais, no tempo, onde se vai, dia após dia, consulta após consulta, construindo e aprimorando, paulatinamente, a relação médico-paciente. Na verdade, a construção desta relação, que se quer empática, não se edifica nem alicerça numa só consulta, sendo o resultado dos sucessivos encontros e reencontros entre o médico e o doente. Dirão alguns que as Unidades de Saúde Familiar têm autonomia suficiente para alterar os tempos da consulta, para mais ou para menos, consoante a visão de cada equipa de saúde.

Mas como fazer isso com as atuais listas de utentes em que um médico tem a seu cuidado mais de 1800 pessoas? Ainda há uns anos atrás, um parecer do tribunal de contas propôs a redução do tempo de consulta para quinze minutos em vez dos atuais vinte, numa visão quase industrial do ato médico, como se fosse mais importante incrementar as consultas em quantidade do que melhorar a sua qualidade.

É esta visão, mais assente na matemática do que focada na realidade, que é preciso contrariar! Todos queremos mais acessibilidade aos cuidados de saúde. Também o defendo. Porém, também defendo mais tempo para os doentes como garante da qualidade do ato médico.

Defendo-o porque ambiciono trabalhar melhor. Sei que, para isso, são necessárias, impreterivelmente, medidas como a redução das listas de utentes dos médicos de família que, há tantos anos, são uma luta da classe médica. Seria, também, necessária a contratação de mais profissionais para esta especialidade, medidas que, naturalmente, aumentam a despesa e, talvez por isso, são tão pouco populares para os governos. Há tanto mais em que poupar!

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS