SAÚDE -

SAÚDE - -

Situação “dramática”. Braga sem equipas de cuidados paliativos

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Braga, a par de Vila Real, Aveiro, Coimbra, Leiria e Castelo Branco, não tem qualquer equipa de cuidados paliativos, afirma um relatório do Observatório Português dos Cuidados Paliativos Continuados (OPCP).

O ‘Relatório de Outono 2019’, do Observatório Português dos Cuidados Paliativos (OPCP), analisou a cobertura da rede e caracterizou os recursos humanos, reportando-se a dados vigentes em 31 de Dezembro de 2018.

A falta de profissionais de saúde é a razão apontada. O documento refere que a rede nacional de cuidados paliativos necessita de um reforço de 400 médicos e dois mil enfermeiros.

PUBLICIDADE

“Esta realidade – diz o Observatório- não garante uma abordagem especializada entre as diferentes valências/equipas, por ausência de uma ou mais valências, sendo um sério obstáculo à acessibilidade a estes recursos como um direito humano à condição nuclear para uma cobertura universal de saúde”.

O estudo conclui tendo em conta o horário a tempo inteiro preconizado no Serviço Nacional de Saúde, de 40 horas semanais para os médicos e 35 horas para os restantes profissionais, que faltam cerca de 430 médicos, 2141 enfermeiros, 178 psicólogos e 173 assistentes sociais na rede.

DRAMA (TAMBÉM) PARA HOSPITAIS

Em declarações à Antena 1, Manuel Luís Capelas, coordenador do OPCP, alerta que “a falta de profissionais pode colocar em causa a qualidade e o tempo de atendimento dos doentes”.

“Na análise que fizemos 2017/2018, não houve um verdadeiro investimento na dotação de recursos humanos. Que são o principal veículo de garantia da qualidade e da acessibilidade”, afirmou Manuel Luís Capelas.

Manuel Luís Capelas adverte que se está perante “um problema sério”: “Como costumamos dizer é um tsunami que está a cair nos serviços de saúde e nós temos que verdadeiramente pensar nisso, porque nem há a possibilidade de fugirmos para a intervenção privada”, porque a resposta que existe é “muito incipiente”.

Também em declarações à Antena 1, o presidente do Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro, afirmou, depois de analisar o documento, que a prestação de cuidados paliativos vive uma situação “muito grave”.

“É um drama, não só para o próprio doente, mas inclusivamente para os hospitais. Porque há muitos doentes paliativos que estão a ocupar camas hospitalares, que efectivamente ficam muito mais caras, do que as dos cuidados paliativos”, afirmou.

O responsável da Liga Portuguesa Contra o Cancro acrescenta que “essa situação faz com que os hospitais não possam cumprir muitas vezes aquilo que está preconizado e resultando muitas vezes em listas de espera enormes que existem nas diferentes patologias”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.